A Socialização Pode nos Ajudar a Evitar o Diabetes?

A Socialização Pode nos Ajudar a Evitar o Diabetes?
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Um novo estudo da Universidade de Maastricht revelou que as pessoas socialmente isoladas estão mais em risco de desenvolver o Diabetes Tipo 2. Então, uma vida social ativa poderia nos ajudar a evitar alguns dos fatores de risco para esta condição?
Recentemente, os pesquisadores se concentraram em como nossos laços sociais podem influenciar nossa saúde corporal, mental e mental.
Ao longo dos últimos meses, Medical News Today informou que manter amizades íntimas pode ajudar a manter o declínio mental à distância e que a qualidade de vida é melhorada ao se exercitar como parte de um grupo.
Um novo estudo do Centro Médico da Universidade de Maastricht na Holanda revelou que ser socialmente ativo correlaciona-se com um risco reduzido de Diabetes Tipo 2. “Grupos de alto risco para Diabetes Tipo 2 devem ampliar sua rede e devem ser encorajados a fazer novos amigos, além de se tornarem membros de um clube, como uma organização voluntária, clube esportivo ou grupo de discussão”, insiste em estudar co-autor Dr. Miranda Schram.
Ela acrescenta que “os homens que vivem sozinhos parecem estar em maior risco para o desenvolvimento de Diabetes Tipo 2, assim sendo, eles devem se tornar reconhecidos como um grupo de alto risco nos cuidados de saúde. Além disso, o tamanho da rede social e a participação em atividades sociais podem eventualmente ser usado como indicadores do risco de Diabetes”.
As descobertas do estudo foram publicadas ontem na revista BMC Public Health.
Os pesquisadores analisaram dados médicos de 2.861 adultos com idade entre 40 e 75 anos, todos participantes do estudo Maastricht, que é um grande estudo de coorte observacional que analisa os fatores de risco genéticos e ambientais envolvidos no desenvolvimento de Diabetes Tipo 2.
Destes, 1.623 não tinham diabetes, 430 tinham prediabetes (o que significa que seus níveis de açúcar no sangue eram anormais, mas ainda não altos o suficiente para ser classificada como Diabetes), 111 tinham sido recentemente diagnosticados com Diabetes Tipo 2 e 697 participantes tinham um pré diagnóstico de Diabetes existente.

Isolamento Social Associado à Diabetes

Os pesquisadores encontraram uma correlação intrigante entre a vida social dos participantes e a probabilidade de serem diagnosticados com Diabetes, o que os levou a ponderar a relação potencial entre a socialização e o risco de desenvolver essa doença metabólica.

“Somos os primeiros a determinar a associação de uma ampla gama de características de redes sociais – como suporte social, tamanho da rede ou tipo de relacionamentos — com diferentes estágios de Diabetes Tipo 2. Nossos achados apoiam a idéia de que a resolução do isolamento social pode ajudar prevenir o desenvolvimento de Diabetes Tipo 2”. Autor de estudo principal Stephanie Brinkhues.

Brinkhues e equipe descobriram que os participantes que não se juntaram às atividades do clube ou associaram-se a qualquer grupo social eram 60% mais propensos a ter prediabetes.
As mulheres que não participaram de atividades sociais eram 112% mais propensas a ter Diabetes Tipo 2, enquanto os homens socialmente isolados tinham 42% mais chances de ter a doença.
A equipe também encontrou ligações significativas entre perda de amigos e conhecimentos sociais e a probabilidade de desenvolver Diabetes Tipo 2. Mais especificamente, a perda de cada contato social foi associada a 12% maior probabilidade de diabetes recém-diagnosticada.
Além disso, com um tamanho médio de 10 pessoas, os pesquisadores observaram que cada 10% de “queda em membros da rede que se encontravam a curta distância” estavam ligados a um risco 21% maior de Diabetes recém-diagnosticada e uma chance 9% maior de Diabetes previamente diagnosticada em participantes do sexo feminino.
“Cada 10% adicionais da rede que era um membro da família”, escreveram os autores do estudo, também foi associada a maiores probabilidades de Diabetes Tipo 2 recentemente diagnosticada ou existente em mulheres, bem como homens.
Finalmente, os homens que viviam sozinhos tinham uma probabilidade de 59% maior de prediabetes, uma chance 84% maior de Diabetes recém-diagnosticada e uma chance 94% maior de um diagnóstico existente da doença.
Nenhuma dessas associações foi observada no caso de mulheres que viviam sozinhas.
No entanto, eles observam que a causalidade pode estar em qualquer direção. Pode ser que as pessoas que apresentam os primeiros sintomas de um metabolismo da glicose prejudicada — incluindo a fadiga e um senso geral de infortúnio — podem se sentir menos motivadas para sair, participar de atividades sociais e manter contato com seus amigos e conhecidos.
“O estudo é de natureza transversal e, portanto, a possibilidade de causalidade reversa não pode ser excluída”, advertem os autores.
Fonte: Medical News Today , de 19/12/2017 por Maria Cohut.   — “ ”
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.