Dia Mundial da Visão: Entidade Alerta para a Prevenção da Cegueira e Destaca Cuidados com a Saúde dos Olhos

Dia Mundial da Visão: Entidade Alerta para a Prevenção da Cegueira e Destaca Cuidados com a Saúde dos Olhos
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Número de pessoas cegas passa de 30 milhões no mundo. No Brasil, são mais de 1,2 milhões. Muitos dos problemas oculares podem ser evitados com a prevenção adequada

O Dia Mundial da Visão é celebrado na próxima quinta-feira, 12 de outubro, e o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) alerta para o aumento do número de cegos, que hoje passa dos 30 milhões no mundo. A entidade chama atenção da população para a prevenção como melhor forma de evitar a cegueira, destacando os cuidados com a visão. Segundo Cristiano Caixeta, diretor do CBO, em 2020 teremos 80 milhões de pessoas com glaucoma, e em 2040 essa estimativa chegará a 111,5 milhões. A doença é considerada a maior causa de cegueira irreversível no Brasil e no mundo.

Para a data, o Conselho e a International Agency for Prevention Of Blindness (IAPB), da qual agora é membro, disponibilizam material da campanha “Cuide da Sua Visão” para que médicos oftalmologistas compartilhem em suas redes sociais, clínicas e hospitais. O intuito é divulgar a data para pacientes, colegas da medicina e todas as pessoas na rede de contato, para reforçar a importância de preservar a visão. Para encontrar o material, basta acessar a página do CBO, no link: http://www.cbo.net.br/novo/classe-medica/diamundialdavisao.php.

No Brasil já existem mais de 1,2 milhões de pessoas cegas, e a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que até 80% dos casos de cegueira pelo mundo poderiam ser evitados ou tratados. Atualmente, a cegueira afeta 36 milhões de pessoas em todo o mundo, e em 2050 a previsão é que esse número chegue a 115 milhões, conforme estudo publicado na revista Lancet de agosto. Na pesquisa, os números mostram ainda que a quantidade de pessoas com visão comprometida, entre os níveis moderado e grave, chegará a 588 milhões ao longo dos próximos 30 anos. Hoje, 217 milhões de pessoas sofrem com esses níveis de problema na vista.

Para Caixeta, os dados reforçam a importância de concentrar esforços na educação e conscientização da população em relação ao tema. “O acesso à saúde é um direito de todos e tem que ser disponibilizado. Para isso, é fundamental disseminarmos o conceito de promoção de saúde de forma preventiva, ao contrário do que acontece hoje, em que o paciente procura o médico no momento que precisa tratar uma doença. Esse hábito configura um conceito de medicina curativa, e sabemos que a prevenção acarreta um menor custo ao sistema de saúde e, principalmente, ao paciente”, destaca o oftalmologista.

Veja quais são os principais cuidados com a saúde ocular em cada fase da vida: 

Antes do Nascimento 

Rubéola e toxoplasmose podem causar cegueira e problemas neurológicos na criança, por isso o acompanhamento pré-natal e a realização de sorologias são imprescindíveis.

Ao Nascer 

Quando nasce, a criança enxerga pouco e a visão vai se desenvolvendo no decorrer dos anos. Qualquer doença ocular ao nascimento, como a catarata e o glaucoma, pode prejudicar totalmente este desenvolvimento. O teste do reflexo vermelho, também chamado de “teste do olhinho”, deve ser realizado ainda na maternidade. Ele é capaz de detectar estas e outras doenças, às vezes gravíssimas, como o retinoblastoma (um tipo de câncer ocular) precocemente. Além disso, o bebê que lacrimejar muito, tiver mancha branca na menina dos olhos (pupila), olhos anormalmente grandes, ou ainda que não suporte a claridade, deve ser levado ao oftalmologista.

Durante a Infância 

A visão se desenvolve durante a infância, alcançando a maturidade por volta dos cinco anos de idade. Por isso, é muito importante que problemas de visão sejam tratados o quanto antes. Com o início da vida escolar, é possível perceber a presença de problemas refrativos (miopia, astigmatismo e hipermetropia) que podem prejudicar o aprendizado.

Outro problema importante que precisa ser corrigido ainda na infância é a ambliopia, ou “olho preguiçoso”. É uma situação na qual a visão não se desenvolve plenamente em um dos olhos, embora sua aparência seja normal. Com o passar do tempo, o cérebro ignora as imagens que vem desse olho “fraco”, de tal forma que ele perde a visão. O portador de ambliopia tem dificuldade para perceber distâncias e profundidade, além de correr riscos de cegueira total, caso venha algum dia a perder a visão de seu olho saudável.

“A ambliopia pode ser curada se o tratamento for realizado antes que a visão tenha atingido a maturidade. Por isso, mesmo que não apresente aparentemente nenhum problema de visão, a criança deve ser examinada por um oftalmologista em seus primeiros anos de vida”, ressalta o especialista Homero Gusmão de Almeida.

Na Adolescência 

Durante a adolescência e a puberdade, com frequência são diagnosticados os problemas refrativos (miopia, astigmatismo e hipermetropia). Entre os 13 e 20 anos, as pessoas estão sujeitas ao aparecimento do ceratocone, uma doença que provoca irregularidade da córnea, às vezes acompanhado pelo hábito de coçar excessivamente os olhos. Muitas vezes o ceratocone não é percebido pelos adolescentes, pois os sintomas (aumento da sensibilidade à luz e baixa da qualidade de visão, mesmo com o uso de óculos ou lentes de contato) são pouco esclarecidos para eles. Apesar de não ter cura, os tratamentos disponíveis podem melhorar a visão, estabilizando o problema e reduzindo a deformidade da córnea. “Quanto mais cedo o diagnóstico for feito, melhor é o resultado do tratamento. Por isso, os jovens devem ser submetidos a uma consulta oftalmológica, mesmo que não apresentem queixas”, destaca o presidente do CBO.

Na Vida Adulta 

Queixas como sensação de vista cansada, coceira nos olhos, dificuldade para focalizar imagens e lacrimejamento são as mais comuns em adultos que procuram o atendimento oftalmológico. Além da presbiopia (ou vista cansada), caracterizada pela dificuldade de focalizar objetos próximos, outros problemas mais frequentes a partir dos 40 anos são: catarata, glaucoma e retinopatia diabética.

Os sintomas do glaucoma costumam aparecer somente quando a doença está em fase avançada. Se a doença não for tratada, pode levar à cegueira. Aproximadamente 85% das cataratas são classificadas como senis, conectadas ao processo de envelhecimento, com maior incidência na população acima de 50 anos.

As pessoas que têm diabetes apresentam um risco de perder a visão 25 vezes maior do que as demais. Para que isso não aconteça, os diabéticos devem passar rotineiramente por uma consulta oftalmológica. Pela importância da doença, o CBO propôs e deve coordenar a realização de audiência pública na Comissão de Assistência à Saúde do senado federal, com objetivo de apresentar aos parlamentares os problemas vivenciados nos serviços públicos, na atenção ao paciente diabético. 

Após os 65 anos 

A Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) causa baixa visão central, dificultando principalmente a leitura. Os danos à visão central são irreversíveis, mas a detecção precoce e os cuidados podem ajudar a controlar alguns dos efeitos da doença.

Fonte: Saúde Plena ,do Estado de Minas, 10/10/2017.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.