Diabetes e Aplicativos Móveis de Saúde: Onde Estamos Agora?

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Fonte: AADE in partice – 2016

A gestão bem sucedida do Diabetes envolve uma extensa coleta de informação e educação, exigindo o envolvimento do paciente e uma equipe de saúde multidisciplinar. A utilização de saúde móvel (mHealth) aplicativos (apps) em smartphones ou tablets ajuda a preencher a lacuna entre o paciente e seus provedores, ao tirar proveito das novas tendências sociais da tecnologia portátil.

A partir de janeiro de 2014, 90% dos adultos nos EUA possuía um telefone celular, e 64% deles têm um smartphone, de acordo com o Pew Research Center. Marketing Charts.

Relatórios a partir de Dezembro de 2014, reportam que 75% dos americanos com idade a partir de 13 anos utilizam um dispositivo móvel.

A prevalência da tecnologia móvel combinada com a capacidade de aplicativos de mHealth para agregar informações para a gestão da Diabetes é uma combinação intrigante.

Estes dispositivos e aplicativos podem fornecer acesso em tempo real e armazenamento de dados pessoais de saúde, com a capacidade de transmitir essa informação aos membros de uma equipe de saúde. Um número esmagador de produtos e serviços estão disponíveis para pacientes com Diabetes.

Os pacientes e os provedores devem reconhecer as características destes produtos e serviços para tirar o melhor proveito sobre as vantagens, evitando deficiências prejudiciais. Esta revisão irá examinar como aplicativos mHealth de Diabetes evoluíram em resposta à pesquisa emergente e discutirá as áreas que merecem uma maior exploração.

O Estado da Arte

Os aplicativos mHealth para Diabetes apareceram pela primeira vez em 2008.

Desde então, tem havido um crescimento significativo na criação de aplicativos. Até agora, mais de 1110 aplicativos mHealth estão disponíveis, sendo que a maioria está disponível na App Store da Apple ou na Google Play Store, de acordo com Garabedian et al.

Além disso, tem havido um aumento na quantidade de literatura referente a mHealth, com mais de 200 artigos publicados entre 2010 e 2015. Esta pesquisa, muitas vezes centra-se na avaliação da eficácia dos mHealth recém desenvolvidos ou fornece uma revisão de aplicativos mHealth disponíveis (Caburnay et ai; Garabedian et al).

Apesar da grande quantidade de aplicativos mHealth desenvolvidos ao longo dos últimos anos, diversas características desses aplicativos têm-se mantido constante. Por exemplo, o público-alvo para a maioria dos aplicativos mHealth é de pacientes com doenças crônicas, como o Diabetes.

Poucos aplicativos mHealth de Diabetes tem como alvo profissionais de saúde. A maioria dos aplicativos têm a capacidade para registrar ou monitorar os dados do paciente, juntamente com a capacidade de exibir graficamente e exportar esses dados eletronicamente.

O tipo mais comum de dados rasteados é a glicemia, embora outros tipos de dados incluam a pressão arterial, peso, atividade física, consumo de carboidratos, ingestão de medicamentos, e assim por diante. A exportação de dados inclui uma planilha, banco de dados on-line, ou fax, com planilhas Excel sendo o formato mais comum.

Uma ligação à Internet, em geral, não é necessária para a maioria dos aplicativos, permitindo aos pacientes registrar dados sem depender de conecção celular ou wi-fi. Muitos aplicativos mHealth agora incluem banco de dados de alimentos ou carboidratos junto com calculadoras de dose de insulina. Alguns problemas com os algoritmos ainda precisam ser abordados, tais como a falta de parâmetros de segurança, incorporação de dados específicos do paciente, e levar em conta doses de insulina e atividade física recente. Alarmes para lembrar os pacientes para verificar sua glicemia ou administrar insulina é agora uma característica comum, embora fosse rara durante os primeiros anos de desenvolvimento de aplicativos, e até mesmo utiliza serviço de SMS para lembretes. Integração de mídia social, através de fóruns, blogs e Twitter, também está se tornando mais comum.

Regulamentação tem sido um desenvolvimento integral dentre a vasta gama de aplicativos mHealth que vieram à tona. Inicialmente, os aplicativos mHealth foram assegurados para a mesma avaliação e padrões que outros aplicativos não médicos, que não garantem a precisão das informações.

Grande parte da literatura logo reconheceu esta falha e pediu um órgão regulador para garantir a segurança de todos os aplicativos mHealth. Desde então, a FDA lançou diretrizes que definem se um aplicativo será considerado como um dispositivo médico e, portanto, se está sob a jurisdição da FDA. Bluestar, Glooko e Telcare são aplicativos avaliados e aprovados pela FDA. No entanto, muitos aplicativos mHealth não são definidos como dispositivos médicos e, assim, escapam de supervisão regulatória.

Para ajudar a cobrir esta lacuna, várias organizações independentes, como Happtique, DocGuide e iMedicalApps desenvolveram um processo de revisão. A segurança do paciente e integridade da informação médica irá melhorar com a regulamentação padronizada de aplicativos mHealth.

Uma última área em que aplicativos mHealth evoluíram é em diferenças entre aplicativos gratuitos e pagos. Os primeiros estudos mostram pouca ou nenhuma diferença entre aplicativos gratuitos e pagos sobre usabilidade e críticas dos usuários (Demidowich et al). No entanto, Tran e colegas descobriram que os aplicativos pagos tendem a ter funcionalidade expandida versus aplicativos gratuitos.

Garabedian et al descobriram que aplicativos pagos pareciam ser mais adequados para indivíduos com níveis mais baixos de alfabetização, evitando jargão médico, mas não encontrou outras diferenças. Por causa das diferentes conclusões alcançadas por estes estudos, uma tendência definitiva não pode ser determinada neste momento; No entanto, os clínicos devem estar cientes das possíveis diferenças (ou falta delas) entre aplicativos mHealth pagos e gratuitos.

Desenvolvimento Futuro:

Apesar dos desenvolvimentos em aplicativos mHealth em Diabetes, há ainda muitas áreas a serem melhoradas.

Várias características importantes ainda não se tornaram comuns. Esses recursos incluem a adição de notas aos dados registrados, acompanhamento dos resultados de laboratório, um registro de farmácias com informações de contato, usando um código de barras ou leitor óptico para facilitar a entrada de dados, capacidades Bluetooth para simplificar a transferência de dados, um back-up e função restore, e registro de outros dados, tais como o consumo de álcool, doenças ou alergias.

Uma característica inovadora adicional poderia incluir a conectividade com a farmácia de um paciente para facilitar os pedidos de rastreamento e de recarga. Uma característica única disponível a partir de um pequeno grupo de aplicativos mHealth é a capacidade de se conectar diretamente com um glicosímetro e automaticamente transferir os dados da glicemia. Este recurso tornaria menos complicado e mais rápido para os pacientes inserirem seus dados.

Ele também iria fornecer leituras mais precisas, pois não há espaço para erros de transcrição e poderia aumentar a adesão do paciente ao registro de dados. Outra característica rara inclui o gerenciamento abrangente do Diabetes ou de suporte à decisão clínica. Isso pode incluir o fornecimento de educação personalizada, análise de dados para encontrar tendências e determinar doses adequadas de insulina.

Menos de 20% dos aplicativos têm pelo menos uma destas funções (Arnhold et al; Sieverdes et al). Tal sistema sofisticado poderia fornecer feedback em tempo real e decisões personalizadas para pacientes entre as visitas médicas. No entanto, diversos problemas, tais como a capacidade de dispositivos para fornecer uma dosagem precisa de insulina ou para transferir dados entre dispositivos com segurança, impedem tal característica de ser confiável, tornando este um objetivo para futuros empreendimentos.

Uma alternativa para apoio à decisão clínica poderia ser alcançada através de recomendações baseadas em provedores em tempo real. Isso exigiria a exportação automática de dados do paciente para um prontuário eletrônico. Muito tempo seria salvo durante as visitas aos pacientes, as recomendações podem ser feitas sem que o paciente viesse à consulta, e provedores poderiam intervir rapidamente em situações perigosas.

A privacidade do paciente é uma preocupação comum que continua a ser abordada. Muitos aplicativos disponíveis não especificam se os dados do paciente são criptografados ou se fornecem avisos aos pacientes que os seus dados não são seguros. Isto é especialmente uma preocupação em aplicativos com uma função de exportação. Outra preocupação diz respeito à usabilidade de aplicativos mHealth. Os pacientes com complicações relacionadas ao Diabetes, como retinopatia ou neuropatia, ou aqueles com baixo grau de instrução em saúde podem ter problemas ao usar os aplicativos. Design de interfaces, tais como botões grandes, visor organizados, com alto contraste de cor, tolerância a falhas, menus intuitivos, baixo número de combinações de teclas para executar as tarefas, uso de teclados numéricos para as entradas de números, e assim por diante não foram totalmente implementados.

A entrada de dados precisa ser contínua e personalizável. Finalmente, mais e mais investigação de alta qualidade é necessária para provar a eficácia de aplicativos no que diz respeito à saúde e valor de custo. Ristau et al relataram que a partir de 2013, cópias eletrônicas de registros de glicemia não são reconhecidas pelo Medicare e Medicaid. Além disso, não há nenhum reembolso para o custo de aplicativos mHealth pagos ou de cuidados prestados por este tipo de tecnologia. No entanto, Garabedian et al relataram que, se a Lei de Telehealth Enhancement de 2015 (HR 2066) for aprovada, isso pode permitir o reembolso dos serviços de saúde prestados por provedores de aplicativo mHealth. Com mais pesquisas mostrando a melhoria na saúde do paciente e custo-benefício, os contribuintes podem começar a receber apoio através de reembolso ou pagamento de iniciativas mHealth.

Conclusão:

Aplicativos mHealth de Diabetes atuais possuem uma variedade de características úteis para pacientes com Diabetes, incluindo a capacidade de registrar dados de glicemia e ingestão de carboidratos, calcular as doses de insulina, e definir lembretes. No entanto, existe uma clara necessidade de aplicativos mHealth com a capacidade de adicionar notas aos dados registados, resultados de laboratório, utilização de código de barras ou o leitor óptico para facilitar a entrada de dados, utilizar Bluetooth para simplificar a transferência de dados, backup e restore de dados, e inserir outros dados, tais como o consumo de álcool, doenças ou alergias.

Regulamentações e controle de qualidade vão desempenhar um papel cada vez mais importante no desenvolvimento de aplicativos mHealth. Educadores em Diabetes precisam estar familiarizados com os aplicativos mHealth mais populares para otimizar o atendimento para pacientes com Diabetes.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.