Dietas que Combinam Excesso de Açúcar e Gordura são as Mais Prejudiciais

Dietas que Combinam Excesso de Açúcar e Gordura são as Mais Prejudiciais
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Pesquisa da USP mostra que os adeptos têm, por exemplo, mais risco de serem acometidos por câncer e Diabetes

Em vez do almoço tradicional, sanduíche, batata frita e refrigerante. No jantar e no meio da tarde, o combo também faz parte dos mais pedidos, como outros tipos de junk food, alimentos ricos em gordura e açúcar. Um estudo do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP) mostra que esse menu, cada vez mais escolhido por brasileiros, é o que mais engorda e causa os maiores danos ao corpo, aumentando, por exemplo, o colesterol em 34%.

Autora da pesquisa, a professora de educação física Laureane Masi realizou os testes com 50 camundongos, separados em quatro grupos, conforme a dieta recebida: Balanceada, com excesso de leite condensado (açúcar), rica em gordura (hiperlipídica) e com excesso de leite condensado e gordura. As três últimas dietas são obesogênicas, levam à obesidade, e, depois de dois meses, observou-se, nas cobaias submetidas a elas, efeitos como intolerância à glicose, aumento de peso, do depósito de gordura visceral, do tamanho de células de gorduras, do peso do fígado e dos níveis de colesterol.

Esses problemas foram detectados com maior gravidade nas cobaias que seguiram o regime que combinava excesso de gordura e açúcar. No fim do experimento, por exemplo, o peso médio desses animais foi de 42,5 gramas, mais que o dobro do verificado no grupo de controle. “A obesidade pode desenvolver complicações clínicas gastrointestinais, metabólicas, cardiovasculares, respiratórios, neurológicos, oftalmológica, oncológica, entre outras”, lista Laureane Masi.

A dieta também aumentou o estado inflamatório do tecido adiposo, que ajuda na manutenção da temperatura corporal e serve de reserva energética do corpo. Outra piora que chamou a atenção da pesquisadora foi o aumento do fator de necrose tumoral alfa, produzido principalmente por células de defesa chamadas macrófagos.

Esse quadro pode levar a inflamações, doenças autoimunes, choque séptico e até mesmo o aparecimento de tumores. “O estudo mostra que o nutriente isolado tem um grande fator de impacto no envelhecimento patológico e, quando você soma os dois nutrientes, os fatores de impacto são maiores, podem dobrar”, explica o presidente da Associação Brasileira de Nutrologia, Durval Ribas Filho.

Perigo Generalizado

O nutrólogo Durval Ribas Filho destaca que os resultados envolvendo as outras dietas do experimento também merecem a atenção. Analisadas separadamente, elas revelam-se também bastante perigosas. O regime rico em gordura saturada, por exemplo, dobra as chances de doenças neurodegenerativas, alerta o especialista. No experimento, aumentou o nível de colesterol em 65%, contra 34% da dieta que combina açúcar e gordura.

Segundo a pesquisadora, apesar de as três dietas obesogênicas terem levado à obesidade e à disfunção metabólica, a com alto teor de açúcar foi mais inflamatória do que a hiperlipídica, que causou fibrose hepática. “Considerando as dietas isoladas, a hiperlipídica foi mais prejudicial. Ela causou sensibilidade à insulina e esteatose hepática, o acúmulo de gordura no fígado, um estágio antes da fibrose hepática na doença hepática não alcoólica”, diz.

Para o nutrólogo, levando os resultados para a clínica, há que se considerar ainda o funcionamento de cada organismo. “Cada ser humano responde de uma forma à ação dos nutrientes. As gorduras em excesso podem fazer mais mal para algumas pessoas do que para outras, assim como o açúcar”, explica. “Eu acho que a gente deve relembrar Hipócrates: “Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio”. Então, em resumo, o estudo mostra que os nutrientes em excesso, quaisquer que sejam, podem contribuir negativamente para a saudabilidade”.

Aplicação Clínica

Segundo Nathalia Pizato,  professora do Departamento de Nutrição da Universidade de Brasília (UnB), o estudo permitiu o controle da dieta dos animais muito mais do que se pode fazer com humanos. Por isso,  apesar do metabolismo dos dois mamíferos serem muito parecidos, o que acontece com o rato pode não acontecer com os humanos.

A pesquisadora reconhece essa limitação da ciência, mas, segundo ela, por resultados anteriores com roedores, em estudos de obesidade induzida por dietas obesogênicas, é possível extrapolar os resultados. “Já se tem verificado os mesmos resultados nessa espécie em relação a essa doença”, ressalta. O estudo da USP foi divulgado recentemente na revista Scientific Reports.

*Estagiária sob a supervisão da subeditora Carmen Souza.
Fonte: Ciência e Saúde do CB, de 21/11/2017, por Sara Sane*

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.