Efeitos de Liraglutida versus Mudanças de Estilo de Vida Sobre Gordura Visceral Subcutânea, Esteatose Hepática, Sensibilidade à Insulina e Função das Células Beta Após Perda de Peso Comparável

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Autores:

F. Santilli1, M. Guagnano1, A. Tartaro2, P.G. Simeone1, R. Liani1, R. Tripaldi1, M. Maccarone2, E. Zecca1, E. Angelucci3, V. Federico4, A. Quirino3, L. Pansa4, M. Golato4, G. Davi1, A. Consoli1; 1Department of Medicine and Aging and Center of Excellence on Aging, 2Department of Neuroscience & Imaging, University of Chieti, 3Department of Clinica Medica, Chieti Hospital, 4Department of Clinical Pathology, Chieti Hospital, Italy.

Fonte:

Congresso EASD 2015, em Estocolmo.

Histórico e Objetivos:

Obesidade, resistência à insulina e deterioração das células beta são questões fundamentais para o desenvolvimento e a progressão do Diabetes Tipo 2 (DM2). Dados os concomitante efeitos reconhecidos para agonistas GLP-1 sobre o peso, massa gorda, resistência à insulina e preservação das células beta,aventamos a hipótese de que essa classe de drogas pode exercer ações adicionais sobre os previstos para uma perda de peso mediada por uma intervenção no estilo de vida. Materiais e Métodos: Vinte e nove indivíduos obesos, tratados com metformina com tolerância à glicose reduzida (TGR), glicemia em jejum alterada (GJA) ou recém-diagnosticados com DM2, foram randomizados para tratamento com liraglutida (1,8 mg/dia) ou receberam aconselhamento de estilo de vida, a fim de avaliar se as alterações na distribui- ção de tecido adiposo visceral (VAT) e subcutâneo (SAT) e no grau de fígado gorduroso não-alcoólico (NAFLD) (todos os avaliados pela MRI) após uma perda de peso modesta e comparável (7% do peso inicial), pode afetar a sensibilidade à insulina (Índice Matsuda) e o desempenho das células β (pelo Índice 2 de Sensibilidade à Secreção de Insulina (ISSI-2)), durante teste de amostragem múltipla de tolerância à glicose oral.

Resultados:

Na linha de base, o IVA foi diretamente correlacionado com HbA1c (Rho=0,374, p=0,045) e ISSI-2 (Rho=- 0,378, p=0,043), e inversamente com adiponectina (Rho=-0.470, p=0,010), enquanto que SAT foi diretamente e significativamente correlacionado com a proteína C reativa (Rho=0,466, p=0,013), leptina (Rho=0.811, p<0,0001) e grau NAFLD (Rho=0.379, p=0,042). Os graus de IVA, SAT e NAFLD foram significativamente e comparavelmente reduzidos em ambos grupos de tratamento, enquanto que a sensibilidade à insulina não foi significativamente afetada por qualquer intervenção. Em contraste, o grupo liraglutida mostrou uma redução significativamente maior no IVA médio (p=0,001), quando comparado ao grupo de mudança no estilo de vida (redução média de -15,3% versus -7,3%) e maior melhora na função das células beta (ISSI-2) (96,3% versus 29,8%, p=0,006), o que se traduziu numa redução significativamente mais acentuada na glicemia tanto em jejum, quanto nos períodos de 1 hora e 2 horas pós-prandial, apesar de nível de redução de HbA1c comparavel em ambos os grupos (7,0%). No braço liraglutida, mas não no braço de mudança de estilo de vida, a redução de porcentagem de IVA em todo o período de intervenção foi significativamente relacionada à melhora na função das células beta (ISSI-2, Rho=-0,60, p=0,023) e aumento nos níveis de adiponectina (Rho=-0-589, p=0,021). As alterações de percentuais SAT e leptina foram, em contrapartida, associadas à melhora da sensibilidade à insulina, tal como refletido pelo índice Matsuda (Rho=-0.722, p=0,002, e Rho=-0.708, p=0,003).

Conclusão:

Este estudo piloto pode ajudar a estabelecer uma relação de causa e efeito entre inflama- ção do IVA, secreção de adipocinas, desempenho da célula beta e desenvolvimento e progressão do DM2, evidenciando assim possíveis mecanismos pelos quais a liraglutida pode impactar favoravelmente a patogênese do DM2.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.