IDF Publica Diretrizes Sobre Cuidados com o Pé Diabético para Clínicos Gerais e Outros Profissionais de Saúde

IDF Publica Diretrizes Sobre Cuidados com o Pé Diabético para Clínicos Gerais e Outros Profissionais de Saúde
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

ABU DHABI, Emirados Árabes Unidos – Novas recomendações de prática clínica para o pé diabético, divulgadas no início deste ano pela Federação Internacional de Diabetes, destinam-se a ajudar todos os profissionais de saúde e, mais especificamente, médicos Clínicos Gerais (GPs) e médicos de família a identificar precocemente os pacientes que precisa de encaminhamento para cuidados especializados.

Apresentando estas últimas orientações aqui no Congresso 2017 da Federação Internacional de Diabetes (IDF), o Dr. Edward Jude, do Hospital Tameside NHS Foundation Trust, Reino Unido, observou que 80% dos casos de pé diabético em todo o mundo são vistos por médicos de cuidados primários, mas para eles falta entender o que eles deveriam avaliar e em que ponto eles deveriam se referir a um paciente, encaminhando para um especialista.

O Profº. Johan Wens, GP que também trabalha na Universidade de Antwerp, na Bélgica, falando na mesma sessão, concordou. “Os médicos de família precisam ser educados que um atraso nas pessoas com pé diabético pode levar à perda de um membro e é urgente que sejam encaminhados”.

No entanto, com a maioria dos GPs tendo apenas cerca de 10 minutos para ver cada paciente, em média – embora isso dependa, em certa medida, de acordo em que parte do mundo ele – os participantes da reunião concordaram que este é um enorme obstáculo.

O novo documento da IDF de 70 páginas – Recomendações de prática clínica sobre o pé diabético 2017: Um guia para profissionais de saúde – divide tópicos, aumentando a gravidade, neuropatia periférica diabética, doença arterial periférica, úlceras, infecção do pé diabético e neurocapacidades de Charcot, Osteoartropatia (pé Charcot).

Ele foi projetado com o objetivo de ter GPs em condições de intervir na categoria de risco 1 ou 2, para ajudá-los a identificar, avaliar e tratar pacientes com pé diabético antes da “janela de apresentação” entre quando a neuropatia é diagnosticada e antes de um desenvolvimento de úlcera, Disse o Dr. Jude.

A antiga maneira de simplesmente “procurar por úlceras” significa que os pacientes são encaminhados muito tarde.

Muito Complexo para GPs? Também Há um Guia de Bolso.

No entanto, o presidente da sessão, o Dr. William Jeffcoate da Nottingham University Hospitals Trust, Reino Unido, disse que sentiu que este documento de 70 páginas “é muito complicado para os cuidados primários ou qualquer outro profissional de saúde que não esteja trabalhando na doença do pé diabético”.

Os autores estavam interessados em detalhar, no entanto, que eles também produziram um gráfico de bolso. Este cartão Z consiste em apenas 2 páginas e pode ser impresso, ou uma cópia impressa encomendada no site da IDF por apenas € 2, explicou o Dr. Jude.

Este breve documento permite que os médicos coloquem os pacientes em uma das quatro categorias de risco com base nos resultados da avaliação e, em seguida, aconselha-as sobre futuras decisões dependendo da categoria de risco atribuída.

Fonte: Medscape Medical News ©2017. Cobertura do Congresso IDF, 2017 – Federação Internacional do Diabetes. Por: Lisa Nainggolan, 06/12/2017

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.