NIH : Prevenindo o Derrame

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Introdução

Se você é como a maioria dos americanos, você planeja o seu futuro. Quando você vai começar em um novo emprego, você analisa seu plano de benefícios. Quando você vai comprar uma casa, você considera sua localização e condições  para que seu investimento seja seguro. Atualmente, mais e mais americanos estão protegendo seu bem mais importante – seu cérebro. Você também está fazendo isso ?

O Derrame é considerado a quarta causa de morte nos Estados Unidos. Um acidente vascular cerebral pode ser devastador para os indivíduos e suas famílias, roubando-lhes a sua independência. É a causa mais comum de deficiência do adulto. A cada ano, cerca de 795.000 americanos têm um acidente vascular cerebral, com cerca de 160.000 óbitos relacionados ao acidente vascular cerebral . Funcionários do Instituto Nacional de Transtornos Neurológicos e Derrame (NINDS) estão empenhados em reduzir esse peso através da investigação biomédica.

O que é um Derrame ?

Um acidente vascular cerebral, ou “ataque cerebral”, ocorre quando falha a circulação sanguínea para o cérebro . Células cerebrais podem morrer devido a diminuição do fluxo sanguíneo e da resultante falta de oxigênio. Existem duas grandes categorias de acidentes vasculares cerebrais: aquelas causadas por um bloqueio do fluxo sanguíneo e aquelas causadas por hemorragia cerebral. Um bloqueio de um vaso sanguíneo no cérebro ou no pescoço, chamado de acidente vascular cerebral isquêmico, é a causa mais freqüente de acidente vascular cerebral e é responsável por cerca de 80 % dos acidentes vasculares cerebrais. Estes bloqueios resultam de três condições: a formação de um coágulo dentro de um vaso sanguíneo do cérebro ou pescoço, chamado trombose; O movimento de um coágulo de outra parte do corpo, como o coração para o cérebro, chamado embolismo; Ou um estreitamento grave de uma artéria no cérebro ou que leva ao mesmo, denominado estenose. Sangramento no cérebro ou nos espaços em torno do cérebro provoca o segundo tipo de acidente vascular cerebral, chamado acidente vascular cerebral hemorrágico.

Você pode tomar dois passos importantes que irão diminuir o risco de morte ou incapacidade devido ao acidente vascular cerebral:

  • Controlar os fatores de risco do AVC ,e
  • Saber sinais os do AVC.

A investigação científica conduzida pelo NINDS identificou sinais de alerta e um grande número de fatores de risco.

O que são sinais de aviso de um acidente vascular cerebral ?

Os sinais de aviso são pistas que seu corpo envia, no caso do seu cérebro não esteja recebendo oxigênio suficiente. Se você observar um ou mais destes sinais de um acidente vascular cerebral ou “ataque cerebral”, não espere, chame um médico ou disque 192  ( SAMU) !

  • Dormência repentina ou fraqueza na face, braço ou perna, especialmente em um lado do corpo
  • Confusão súbita, ou dificuldade para falar ou entender a fala
  • Problemas repentinos em um ou em ambos os olhos
  • Súbita dificuldade para caminhar, tonturas ou perda de equilíbrio ou coordenação motora
  • Súbita forte dor de cabeça sem causa conhecida

Outros sinais de perigo que podem ocorrer incluem visão dupla, sonolência e náuseas ou vômitos. Às vezes, os sinais de alerta podem durar apenas alguns momentos e depois desaparecem. Estes episódios breves, conhecidos como ataques isquêmicos transitórios ou TIAs, são às vezes chamados de “mini-acidentes vasculares cerebrais”. Embora breve, eles identificam uma condição grave subjacente que não vai passar sem ajuda médica. Infelizmente, uma vez que esclarecidos os sintomas, muitas pessoas irão ignorá-los.

Não!

Preste atenção neles , isso pode salvar sua vida.

Quais são os fatores de risco para um acidente vascular cerebral?

Um fator de risco é uma condição ou comportamento que ocorre mais frequentemente naqueles que têm ou estão em maior risco de contrair uma doença do que naqueles que não têm. Ter um fator de risco para AVC não significa que você vai ter um acidente vascular cerebral. Por outro lado, não ter um fator de risco não significa que você vai evitar um acidente vascular cerebral. Mas o risco de AVC aumenta à medida que aumenta o número e a gravidade dos fatores de risco.

Alguns fatores para AVC não podem ser modificados por tratamento médico ou mudanças de estilo de vida.

  • Idade. O AVC ocorre em todas as faixas etárias. Estudos mostram o risco de derrame dobra para cada década entre as idades de 55 e 85. Mas derrames também podem ocorrer na infância ou adolescência. Embora o AVC seja frequentemente considerado uma doença do envelhecimento, o risco de acidente vascular cerebral na infância é realmente maior durante o período perinatal, que abrange os últimos meses de vida fetal e nas primeiras semanas após o nascimento.
  • Gênero. Os homens têm um risco mais elevado para o derrame ,entretanto mais mulheres morrem por consequência do derrame. Geralmente os homens vivem menos que as mulheres, por isso os homens podem ter seus acidentes vasculares cerebrais mais jovens e, portanto, têm uma maior taxa de sobrevivência.
  • Raça. Pessoas de certos grupos étnicos têm um maior risco de acidente vascular cerebral. Entre os afro-americanos, o acidente vascular cerebral é mais comum e mais mortal – mesmo em adultos jovens e de meia-idade – do que para qualquer grupo racial ou étnico nos Estados Unidos. Estudos mostram que a incidência ,com a idade ajustada, de acidente vascular cerebral é cerca de duas vezes maior em afro-americanos e hispânicos americanos do que em caucasianos. Um importante fator de risco para afro-americanos é a doença falciforme, que pode causar um estreitamento das artérias e interromper o fluxo sanguíneo. A incidência dos vários subtipos de acidente vascular cerebral também varia consideravelmente em diferentes grupos étnicos.
  • AVC- Antecedentes Familiares . Derrame parece ocorrer em algumas famílias. Vários fatores podem contribuir para o AVC familiar. Os membros de uma família podem ter uma tendência genética para fatores de risco de acidente vascular cerebral, como uma predisposição hereditária para hipertensão ou diabetes. A influência de um estilo de vida comum entre os membros da família também poderia contribuir para o AVC familiar.

Quais são os fatores de risco tratáveis?

Alguns dos fatores de risco tratáveis mais importantes para o AVC são:

  • Pressão arterial elevada, ou hipertensão.

A hipertensão é, de longe, o fator de risco mais potente para AVC. A hipertensão causa um aumento de duas a quatro vezes no risco de acidente vascular cerebral antes dos 80 anos. Se sua pressão arterial é alta, você e seu médico precisam elaborar uma estratégia individual para reduzi-la ao normal. Algumas maneiras que funcionam:

  • Mantenha o peso adequado.
  • Evite drogas conhecidas que aumentam a pressão arterial.
  • Comer corretamente: reduzir o sal e comer frutas e legumes para aumentar o potássio em sua dieta.
  • Exercite mais.
  • O seu médico pode receitar medicamentos que ajudam a baixar a pressão arterial. Controlando a pressão arterial também irá ajudá-lo a evitar doenças cardíacas, diabetes e insuficiência renal.

 

  • Tabagismo .

O tabagismo provoca um aumento de duas vezes no risco de AVC isquêmico e até um aumento de quatro vezes no risco de acidente vascular cerebral hemorrágico. Isso tem sido associado ao acúmulo de substâncias gordurosas (aterosclerose) na artéria carótida, a artéria principal do pescoço fornecendo sangue ao cérebro.  O bloqueio desta artéria é a principal causa de acidente vascular cerebral em americanos. Além disso, a nicotina aumenta a pressão arterial; O monóxido de carbono do tabaco reduz a quantidade de oxigênio que seu sangue pode transportar para o cérebro; e a fumaça do cigarro torna seu sangue mais grosso e aumenta a possibilidade de  coagular. Fumar também promove a formação de aneurismas. Seu médico pode recomendar programas e medicamentos que podem ajudá-lo a parar de fumar. Ao parar de fumar , em qualquer idade, você também reduzir o risco de doença pulmonar, doenças cardíacas e uma série de cânceres, incluindo câncer de pulmão.

  • Doença cardíaca.

Distúrbios cardíacos comuns, como doença da artéria coronária, defeitos da válvula, batimento cardíaco irregular (fibrilação atrial) e aumento de uma das câmaras cardíacas podem resultar em coágulos de sangue que podem se soltar e bloquear vasos ou levando ao cérebro. A fibrilação atrial – que é mais prevalente em pessoas mais velhas – é responsável por um em cada quatro acidentes vasculares cerebrais após os 80 anos, e está associada a maior mortalidade e incapacidade. A doença mais comum dos vasos sanguíneos é a aterosclerose. A hipertensão promove a aterosclerose e causa danos mecânicos às paredes dos vasos sanguíneos. Seu médico tratará sua doença cardíaca e também poderá prescrever medicamentos, como a aspirina, para ajudar a prevenir a formação de coágulos. O seu médico pode recomendar cirurgia para limpar uma artéria do pescoço entupido se você corresponder a um perfil de risco específico. Se você tem mais de 50 anos, os cientistas do NINDS acreditam que você e seu médico devem tomar uma decisão sobre a terapia com aspirina. Um médico pode avaliar seus fatores de risco e ajudá-lo a decidir se você vai se beneficiar de aspirina ou outra terapia de desbaste de sangue.

  • Sinais de alerta ou história de AVC.

Se você sofrer um TIA ou AVC deve buscar ajuda imediata. Se você já teve um TIA ou AVC, o risco de ter um acidente vascular cerebral é muitas vezes maior do que alguém que nunca teve um. Muitas comunidades encorajam os portadores de sinais de acidente vascular cerebral a chamar o 192 para assistência médica de emergência. Se você teve um acidente vascular cerebral no passado, é importante reduzir o risco de um segundo acidente vascular cerebral. Seu cérebro ajuda você a se recuperar de um acidente vascular cerebral, pedindo que as regiões não afetadas do cérebro para proceder um trabalho duplo. Isso significa que um segundo acidente vascular cerebral pode ser duas vezes pior.

  • Diabetes.

Em termos de acidente vascular cerebral e doenças cardiovasculares, ter diabetes é o equivalente ao envelhecimento de 15 anos. Você pode pensar que esse distúrbio afeta apenas a capacidade do corpo de usar açúcar ou glicose. Mas também causa alterações destrutivas nos vasos sanguíneos em todo o corpo, incluindo o cérebro. Além disso, se os níveis de glicose no sangue são elevados no momento de um acidente vascular cerebral, em seguida, danos cerebrais são geralmente mais graves e extensos do que quando a glicose do sangue está bem controlada. A hipertensão é comum entre os diabéticos e é responsável em grande parte de aumentar o seu risco de acidente vascular cerebral . O tratamento da diabetes pode  retardar o aparecimento de complicações que aumentam o risco de acidente vascular cerebral.

  • Desequilíbrio do colesterol.

O LDL – Colesterol – lipoproteína de baixa densidade transporta o colesterol (uma substância gordurosa) através do sangue e o entrega para as células. O excesso de LDL pode levar o  colesterol para fixar-se em vasos sanguíneos, levando a aterosclerose. A aterosclerose é a principal causa de estreitamento dos vasos sangüíneos, levando a ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais.

  • Inatividade física e obesidade.

A obesidade e o sedentarismo estão associados à hipertensão, diabetes e doenças cardíacas. Circunferência da cintura para circunferência do quadril igual ou superior ao valor médio para a população aumenta o risco de acidente vascular cerebral isquêmico em três vezes.

Você conhece o seu risco de sofrer um Derrame?

Alguns dos fatores de risco mais importantes para acidente vascular cerebral podem ser determinados durante um exame físico no consultório do seu médico. Se você tem mais de 55 anos, a planilha neste folheto pode ajudá-lo a estimar o risco de acidente vascular cerebral e mostrar o benefício do controle do fator de risco.

A planilha foi desenvolvida a partir do trabalho apoiado pelo NINDS no conhecido estudo de Framingham. Trabalhando com seu médico, você pode desenvolver uma estratégia para reduzir o risco para a média ou mesmo abaixo da média para a sua idade.

Muitos fatores de risco para derrame podem ser gerenciados, alguns com muito sucesso. Embora o risco nunca seja zero em qualquer idade, começando cedo e controlando seus fatores de risco, você pode diminuir seu risco de morte ou incapacidade por AVC. Com um bom controle, o risco de acidente vascular cerebral na maioria dos grupos etários pode ser mantido abaixo de que para lesões acidentais ou morte.

Os americanos mostraram que o acidente vascular cerebral é evitável e tratável. Nos últimos anos, uma melhor compreensão das causas do acidente vascular cerebral tem ajudado os americanos a fazer mudanças de estilo de vida que reduziram a taxa de mortalidade  por acidente vascular cerebral quase pela metade.

Os cientistas no NINDS prevêem que, com a atenção continuada para reduzir os riscos de acidente vascular cerebral e usando terapias atualmente disponíveis e desenvolver novos, os americanos devem ser capazes de prevenir 80 por cento de todos os derrames.

Avalie seu risco de acidente vascular cerebral nos próximos 10 anos- Homens

Legenda : PAS = pressão arterial sistólica (marcar apenas uma linha, não tratada ou tratada); ; Diabetes = história de diabetes; Cigarros = fuma cigarros; DCV (doença cardiovascular) = história de doença cardíaca; FA = história de fibrilação atrial, HVE = diagnóstico de hipertrofia ventricular esquerda

Pontos 0 +1 +2 +3 +4 +5 +6 +7 +8 +9 +10
Idade 55-56 57-59 60-62 63-65 66-68 69-72 73-75 76-78 79-81 83-84 85
PAS NC 97-105 106-115 116-125 126-135 136-145 146-155 156-165 166-175 176-185 186-195 196-205
PAS C 97-105 106-112 113-117 118-123 124-129 130-135 136-142 143-150 151-161 162-176 177-205
Diabetes NÃO   SIM                
Cigarros       SIM              
DCV         SIM            
FA         SIM            
HVE           SIM          

 

Seus Pontos Probabilidade-

10 anos ( %)

1 3
2 3
3 4
4 4
5 5
6 5
7 6
8 7
9 8
10 10
11 11
12 13
13 15
14 17
15 20
16 22
17 26
18 29
19 33
20 37
21 42
22 47
23 52
24 57
25 63
26 68
27 74
28 79
29 84
30 88

 

 

Compare com seu

Grupo de Idade

Probabilidade Média de

Derrame em 10 anos

(%)

55-59 5,9
60-64 7,8
65-69 11,0
70-74 13,7
75-79 18,0
80-84 22,3

Avalie o risco de acidente vascular cerebral nos próximos 10 anos – MULHERES

Legenda :Chave: PAS = pressão arterial sistólica (marcar apenas uma linha, não tratada ou tratada); ; Diabetes = história de diabetes; Cigarros = fuma cigarros; CVD (doença cardiovascular) = história de doença cardíaca; FA = história de fibrilação atrial, HVE = diagnóstico de hipertrofia ventricular esquerda

Pontos 0 +1 +2 +3 +4 +5 +6 +7 +8 +9 +10
Idade 55-56 57-59 60-62 63-64 65-67 68-70 71-73 74-76 77-78 79-81 82-84
PAS NC   95-106 107-118 119-130 131-143 144-155 156-167 168-180 181-192 193-204 205-216
PAS C   95-106 107-113 114-119 129-125 126-131 132-139 140-148 149-160 161-204 205-216
Diabetes NÃO     SIM              
Cigarros NÃO     SIM              
DCV NÃO   SIM                
FA NÃO           SIM        
HVE NÃO       SIM            

 

Seus Pontos Probabilidade-

 10 anos ( %)

1 1
2 1
3 2
4 2
5 2
6 3
7 4
8 4
9 5
10 6
11 8
12 9
13 11
14 13
15 16
16 19
17 23
18 27
19 32
20 37
21 43
22 50
23 57
24 64
25 71
26 78
27 84

 

 

Compare com seu

 Grupo de Idade

Probabilidade Média de

Derrame em 10 anos

(%)

55-59 3,0
60-64 4,7
65-69 7,2
70-74 10,9
75-79 15,5
80-84 23,9

 

:

Este exemplo ajuda a avaliar o risco de AVC. Tally tomou seus pontos para avaliar o seu risco de ter um  AVC ao longo dos próximos 10 anos.

Martha, 65 anos, queria determinar seu risco de ter um acidente vascular cerebral, então ela tomou este perfil de risco de AVC. Foi desta maneira que ela chegou ao seu risco da probabilidade de em 10 anos de ter um acidente vascular cerebral:

Idade 65 4 pontos
PAS C , 107-113 2 pontos
Diabetes – No 0 pontos
Cigarros – Yes 3 pontos
DCV – Nao 0 pontos
FA – Sim 6 pontos
HVE – Não 0 pontos
TOTAL 15 pontos

.

Interpretação:

15 pontos leva uma probabilidade de 16 %, de em 10 anos ter um acidente vascular cerebral. Se Martha deixar de fumar, ela pode reduzir seus pontos para 12, o que acarreta uma probabilidade de 9 % de em 10 anos ter um acidente vascular cerebral.

Com sua pontuação atual total não significa que Martha terá um acidente vascular cerebral, mas serve como uma chamada de alerta para maneiras que ela pode diminuir seu risco ou mesmo prevenir um acidente vascular cerebral. Uma pontuação com menor percentual não significa que Martha não irá ter um acidente vascular cerebral, apenas que ela tem um menor risco de ter um.

Não importa qual seja a sua pontuação, é importante trabalhar na redução de seus fatores de risco como Martha fez neste exemplo, deixando de fumar.

Vários fatores de risco para o Derrame podem ser controlados, alguns deles com bastante sucesso. Embora seja nunca seja ZERO o risco em qualquer idade, mas começando mais cedo os controles dos fatores de riscos você pode reduzir seus riscos de morte ou sequelas decorridas pelo Derrame. Com um bom controle, o risco de um Derrame em vários grupos etários podem ser mantidos abaixo dos índices de acidentes ou mortes.

Os americanos mostraram que o acidente vascular cerebral é evitável e tratável. Nos últimos anos, uma melhor compreensão das causas do acidente vascular cerebral tem ajudado os americanos a fazer mudanças de estilo de vida que reduziram a taxa de morte por acidente vascular cerebral quase na metade.

Os cientistas no NINDS prevêem que, com a atenção continuada para reduzir os riscos de acidente vascular cerebral e usando terapias atualmente disponíveis e desenvolvendo  novas, os americanos devem ser capazes de prevenir 80 por cento de todos os derrames.

Referencia:  D’Agostino, R.B.; Wolf, P.A.; Belanger, A.J.; & Kannel, W.B.  “Stroke Risk Profile:  The Framingham Study.” Stroke, Vol. 25, No. 1, pp. 40-43, January 1994.

Mais informações sobre Derrame : NINDS Publications and Information

Tradução; Luiz Flávio Leite. Farmacêutico-Bioquímico, M.Sc.; MBA

 

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.