84.Nível Elevado de Ferro Pode Prever Risco de Diabetes Tipo 2

84.Nível Elevado de Ferro Pode Prever Risco de Diabetes Tipo 2

Uma meta-análise de 15 estudos prospectivos sugere que níveis elevados de ferritina circulante podem predizer o desenvolvimento de Diabetes Tipo 2, com uma associação mais forte observada para mulheres vs. homens, de acordo com os achados publicados em Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism.

“Estudos observacionais prévios conduzidos principalmente nos Estados Unidos têm associado diretamente o risco do Diabetes Tipo 2 com maiores níveis de ferro caracterizados por níveis circulantes mais elevados de ferritina”, disse Fudi Wang, PhD, diretor de saúde pública e medicina preventiva da Escola da Universidade de Zhejiang de Medicina em Hangzhou, China, e colegas escreveram no fundo do estudo.

“No entanto, as controvérsias são abundantes em relação às grandes heterogeneidades e achados inconsistentes em diversas populações. Recentemente, um número crescente de estudos prospectivos de países asiáticos e europeus também relataram uma relação significativa entre os níveis de ferritina e o risco de Diabetes Tipo 2, destacando as importantes implicações do ferro para a saúde individual e da população.”

Em uma meta-análise, Wang e colaboradores analisaram dados de 15 estudos prospectivos com 77.352 participantes (52.723 homens; 18.404 com Diabetes Tipo 2), publicados entre 2004 e 2017. O tempo médio de acompanhamento variou de 2,8 a 16,8 anos. Estudos foram publicados na Ásia (n=6), na Europa (n=5) e nos Estados Unidos (n=4).

Pesquisadores usaram modelos de efeitos aleatórios para calcular a associação específica de sexo do nível de ferritina circulante com o risco de Diabetes Tipo 2 em homens e mulheres. Os pesquisadores também realizaram análises de dose-resposta para avaliar a associação entre o nível de ferritina e o risco de Diabetes Tipo 2 devido a uma ampla gama de definições entre os estudos para as categorias de exposição.

Comparado com os participantes na categoria mais baixa de ferritina, homens e mulheres na categoria mais alta de ferritina foram 54% mais propensos a desenvolver Diabetes Tipo 2 durante o acompanhamento (RR = 1,54; 95% CI, 1,32-1,79), de acordo aos pesquisadores.

Para cada aumento de 100-g/L nos níveis de ferritina, os pesquisadores descobriram que o risco de desenvolver Diabetes Tipo 2 aumentou em 22% (RR=1,22; 95% CI, 1,14-1,31). Entretanto, em análises de sensibilidade específicas de sexo excluindo um estudo com alta heterogeneidade, o risco observado para cada incremento de 100-g/L nos níveis de ferritina foi quase duas vezes maior para as mulheres (RR=1,53; 95% CI, 1,29-1,82) homens (RR=1,21; IC 95%, 1,15-1,27; (P para diferença de sexo 0,02), de acordo com pesquisadores. Os resultados persistiram após a exclusão de um estudo que incluiu apenas homens.

Em análises específicas de sexo, a localização geográfica modificou a associação entre os níveis de ferritina e o risco de Diabetes Tipo 2 em mulheres apenas (P para interação = 0,022), segundo pesquisadores, com associações positivas observadas apenas em estudos asiáticos (RR = 1,29; CI, 1,13-1,47) e estudos europeus (RR = 1,61; IC 95%, 1,34-1,94).

“A análise específica do sexo mostrou que o aumento dos níveis de ferritina parece ter um impacto maior no risco de Diabetes Tipo 2 em mulheres do que em homens”, escreveram os pesquisadores.

“Nossos resultados sugerem que a ferritina circulante pode oferecer um novo campo para a previsão do risco de Diabetes Tipo 2 de maneira específica para o sexo. Esses achados destacam a importância de investigar as etiologias específicas do sexo do Diabetes Tipo 2 e suas complicações associadas.”

Por: Regina Schaffer.

Fonte: Endocrine Today- 22 de maio de 2019.

Jiang L, et al. J Clin Endocrinol Metab 2019, doi: 10.1210 / jc.2019-00495.

Compartilhar: