ANAD - Associação Nacional de Assistência ao Diabético ANAD
 
 SOBRE A ANAD
 PROFISSIONAIS DE SAÚDE
 EVENTOS
 LINKS RELACIONADOS
 VÍDEOS
 MEDICAMENTOS
 FALE CONOSCO





  adicionar a favoritos   envie a um amigo  mapa do site

     Home     |     20º Congresso 2015     |     Diretrizes     |     Sobre a Anad     |     Eventos     |     Informes     |     Público geral     

ANAD - Associação Nacional de Assistência ao Diabético
 
   

Mulheres de meia idade que perdem peso estão também perdendo massa óssea.
Fonte: The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, publicação online, de 31 de março de 2015
Notícia publicada em: 24.04.2015
Autor: Dra. Meryl LeBoff

Sob a da endocrinologista  Dra. Meryl LeBoff, do hospital  Brigham and Women's Hospital, em Boston, foi realizado um estudo com o objetivo de abordar o papel das alterações na massa gorda e na massa magra no declínio da densidade mineral óssea (DMO) em ambos os sexos.


Neste trabalho, independentemente dos tipos de alimentos ou quantidade de cálcio em suas dietas, mulheres de meia idade que perderam uma quantidade moderada de peso ao longo de um período de dois anos também perderam mais densidade óssea do que os homens ou as mulheres mais jovens.


Os pesquisadores estudaram as diferenças sexuais dos efeitos de dietas de emagrecimento na densidade mineral óssea e na composição corporal.


Os participantes do ensaio clínico randomizado  Preventing Overweight Using Novel Dietary Strategies (POUNDS-LOST Trial), com duração de dois anos, foram 424 indivíduos comsobrepeso e obesidade (idade média de 52±9 anos, 57% do sexo feminino).


No início do estudo, a correlação mais forte entre DMO e medidas de composição corporal foi observada em mulheres, principalmente com relação à massa magra (r=0,419, 0,507 e 0.523 para coluna, cabeça do fêmur e quadril, respectivamente, todos com p<0.001). Nos homens, a massa magra foi correlacionada apenas com a DMO do quadril.


A média de perda de peso em dois anos foi de -6,9%, sem diferenças entre as dietas. Em dois anos, alterações na DMO foram de 0,005 (p=0,04), -0,014 (p<0,001), e -0,014 gm/cm² (p<0,001), ao nível da coluna, quadril e cabeça do fêmur, respectivamente. Estas alterações foram diretamente correlacionadas às mudanças na massa magra em mulheres, enquanto que a perda de massa gorda foi correlacionada apenas com mudanças na DMO do quadril (p<0,001).


Nos homens, as mudanças na massa magra e na massa gorda foram negativamente correlacionadas a alterações na DMO da coluna vertebral.


Dietas de emagrecimento resultam em efeitos específicos sobre a densidade mineral óssea em ambos os sexos.


Enquanto os homens apresentaram um aumento paradoxal na DMO da coluna, as mulheres tenderam a diminuir a DMO do quadril, da coluna e da cabeça do fêmur.


Os pesquisadores alertam que enquanto a perda de peso pode ter efeitos benéficos sobre doenças cardiovasculares e diabetes, por exemplo, é importante considerar a saúde do esqueleto, especialmente em mulheres nas quais a perda de peso pode resultar em perda de massa óssea, uma vez que as mulheres têm um risco significativamente aumentado de fraturas ósseas e osteoporose.

 

Próxima Página
 
 Home       |      Congresso 2013      |       Diabetes       |       Sobre a Anad        |       Privacidade       |       Fale Conosco