Pacientes com Úlceras de Pé Diabético Infectadas Precisam de Rápida Interversão

Pacientes com Úlceras de Pé Diabético Infectadas Precisam de Rápida Interversão
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Um novo estudo realizado no Reino Unido revela que pacientes com úlcera de pé diabético infectado têm um prognóstico muito pior do que se pensava anteriormente, com 15% dos pacientes morrendo dentro de um ano, menos da metade da cicatrização de úlceras no mesmo período de tempo e um em cada sete indivíduos com a totalidade ou parte de seus pés amputados.

A análise de quase 300 pacientes com úlceras de pé diabético infectadas também mostrou que, mesmo que a úlcera tenha cicatrizado, quase 10% apresentaram uma recorrência dentro de 12 meses e mais de 25% dos pacientes foram submetidos a algum tipo de procedimento.

Por conseguinte, é crucial que esses pacientes sejam revistos rapidamente e encaminhados para cuidados especializados, se necessário, afirmam Mwidimi Ndosi, PhD, da Universidade de West Bristol, Reino Unido, e colegas em seu artigo publicado on-line em 20 de novembro em Diabetic Medicine.

“O ponto-chave é que as pessoas precisam ser atendidas rapidamente se uma úlcera começar a se formar, o que dá aos profissionais de saúde a maior chance de tentar tratar a condição”, ressalta o co-autor Michael Backhouse, PhD, um podólogo e pesquisador sênior da Universidade de Leeds, Reino Unido, em um comunicado de imprensa da sua instituição.

Estes últimos dados “devem ser úteis para os clínicos em várias áreas de atendimento para ajudar a identificar as pessoas mais expostas ao risco de desfechos piores que possam precisar de maior priorização para intervenções ou encaminhamento para centros especializados”, dizem os cientistas.

Previsibilidade de resultados ruins: Isquemia, muitas úlceras e duração mais prolongada da úlcera 

Para efeito de análise, os pesquisadores realizaram em maio de 2013, uma avaliação observacional prospectiva no período de 12 meses, através de uma detalhada revisão de casos, de 250 pacientes com diabetes que participaram do estudo: Concordance in Diabetic Foot Ulcer Infection (CODIFI) e que ainda estavam vivos no final. Eles também incluíram 49 participantes do julgamento que haviam morrido, mas os dados clínicos estavam disponíveis.

A idade média dos pacientes foi de 64,3 anos e 233 (77,9%) eram do sexo masculino.

Após 12 meses de acompanhamento, o índice de úlcera que havia cicatrizado no total de 136 (45,5%) entre os 299 pacientes, enquanto 13 (9,6%) apresentaram recorrência.

Durante o período de acompanhamento, 52 (17,4%) pacientes tiveram amputação de alguma parte do pé durante o acompanhamento, 18 (6,0%) foram submetidos à revascularização periférica e 10 (3,3%) foram submetidos a ambos os procedimentos e outros 45 (15,1%) pacientes morreram.

O tempo médio de cura da úlcera foi de 4,5 meses, enquanto o tempo médio para amputação, se isso ocorreu, foi de 2,0 meses e, para revascularização, foi de 3,0 meses.

Para aqueles que não sobreviveram, o tempo médio até a morte foi de 5,6 meses.

A presença de isquemia nos membros, múltiplas úlceras nos pés e uma duração mais prolongada da úlcera foram mais preditivas de desfechos durante 12 meses.

Por exemplo, aqueles com uma úlcera presente por 2 meses ou mais antes da inscrição no CODIFI tiveram menor chance de cicatrização, com uma relação de risco (FC) de 0,55, assim como aqueles com perfusão, extensão, profundidade, infecção, sensação (PEDIS) o índice do grau de úlcera ≥2, indicando doença arterial periférica; Isso reduziu o risco de cura em 63% (HR, 0,37).

Fonte: Medscape de 20/11/2017, por Liam Davenport.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Compartilhar: