94.Com o Uso do Medicamento Pode Atrasar em 2 Anos o DM1

94.Com o Uso do Medicamento Pode Atrasar em 2 Anos o DM1

Nova pesquisa descobriu que o medicamento de imunoterapia teplizumabe retarda o aparecimento do Diabetes Tipo 1 em 2 anos, em média, em indivíduos de alto risco

jovem levando seu açúcar no sangue

Algumas pessoas têm um risco maior de desenvolver Diabetes Tipo 1 do que outras. Idade influencia risco; essa condição é uma das mais comuns crônicas que surgem na infância.

Os homens são mais propensos a desenvolver Diabetes Tipo 1 do que as mulheres, e ter uma história familiar da doença também aumenta as chances de desenvolvê-lo.

A geografia também parece desempenhar um papel no risco de Diabetes Tipo 1. Por exemplo, a Suécia, a Finlândia, a Noruega, o Reino Unido e a Sardenha têm a maior incidência de Diabetes Tipo 1, enquanto a China e os países da América do Sul têm a menor incidência.

Para as pessoas cujo risco é alto, um novo estudo traz alguns insights interessantes e esperançosos. Pesquisadores – liderados pelo Dr. Kevan C. Herold, da Universidade de Yale, em New Haven, CT – descobriram que uma droga chamada teplizumabe pode retardar o aparecimento do Diabetes Tipo 1 em pessoas com alto risco.

O Dr. Herold e a equipe publicaram suas descobertas no New England Journal of Medicine e as apresentaram na Scientific Sessions da American Diabetes Association, em São Francisco, Califórnia.

Estudando o Teplizumabe em Pessoas de Alto Risco

O teplizumabe é um anticorpo monoclonal anti-CD3. Ela afeta o sistema imunológico, tendo como alvo as células T efetoras – um tipo de célula imune que, no Diabetes Tipo 1, destrói as células beta produtoras de insulina.

Estudos anteriores demonstraram que o teplizumabe reduz a perda de células beta em pessoas  com um novo tipo de Diabetes Tipo 1.

No novo estudo, Herold e seus colegas examinaram o efeito da droga em 76 participantes que tinham parentes com Diabetes Tipo 1 e tinham pelo menos dois tipos de autoanticorpos associados ao Diabetes. Auto-anticorpos são proteínas que o sistema imunológico produz.

Os participantes tinham 8-49 anos de idade e também tinham tolerância anormal ao açúcar no sangue. Os cientistas dividiram-nos aleatoriamente em dois grupos.

Um dos grupos recebeu o teplizumabe por 14 dias, enquanto o grupo controle recebeu apenas um placebo. Os pesquisadores testaram a tolerância à glicose dos participantes regularmente durante o estudo.

Teplizumabe Retarda o Início em 24 Meses

No final do estudo, 72% das pessoas no grupo placebo desenvolveram Diabetes Tipo 1, enquanto apenas 43% das pessoas no grupo do teplizumabe desenvolveram a doença.

Além disso, no grupo de controle, as pessoas desenvolveram Diabetes durante um período médio de 24 meses, enquanto no grupo de tratamento, os participantes desenvolveram a condição após uma média de 48 meses.

“A diferença nos resultados foi impressionante. Esta descoberta é a primeira evidência que temos visto que o Diabetes Tipo 1 clínico pode ser adiado com o tratamento preventivo precoce”, comenta Lisa Spain, Ph.D., cientista de projeto do Instituto Nacional de Diabetes. e Digestivo e Doenças Renais, que faz parte dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH).

Os resultados têm implicações importantes para as pessoas, particularmente os jovens que têm parentes com a doença, já que esses indivíduos podem estar em alto risco e se beneficiar do rastreamento e tratamento precoces”. Lisa Spain, Ph.D.

O principal autor do estudo também comentou as descobertas, dizendo: “Pesquisas clínicas anteriores financiadas pelo NIH descobriram que o teplizumabe efetivamente reduz a perda de células beta em pessoas com Diabetes Tipo 1 clínico recente, mas a droga nunca foi testada em pessoas que não tinham doença clínica”.

“Queríamos ver se a intervenção precoce teria um benefício para as pessoas que estão em alto risco, mas ainda não têm sintomas de Diabetes Tipo 1”, explica ele.

Mais Pesquisa é Necessária

No entanto, os pesquisadores também alertam que o estudo tem algumas limitações, como o pequeno número de participantes, o fato de a amostra do estudo não ser muito etnicamente diversificada e que todos os participantes tinham parentes com Diabetes Tipo 1, o que poderia significar que as descobertas do estudo não são fáceis de generalizar.

Além disso, os pesquisadores precisam pesquisar mais fundo para entender por que algumas pessoas responderam ao tratamento melhor do que outras. Certas características do sistema imunológico podem desempenhar um papel.

“Embora os resultados sejam encorajadores, mais pesquisas precisam ser feitas para abordar as limitações do estudo, bem como compreender completamente os mecanismos de ação, a eficácia a longo prazo e a segurança do tratamento”, diz Spain.

Fonte: Medical News Today – Por: Ana Sandoiu, 10/06/2019.
N Engl J Med. Publicado online em 9 de junho de 2019. Texto completoEditorial.

Compartilhar: