A Corrida, por Menor que Seja, está Ligada a um Risco de Morte 27% Menor

A Corrida, por Menor que Seja, está Ligada a um Risco de Morte 27% Menor

Pesquisas já mostraram que correr é uma atividade que pode nos ajudar a permanecer saudáveis ​​por mais tempo, mas quanto precisamos correr para prolongar nossa vida útil?

Uma nova revisão sugere que, não importa quão pouco ou quanto corremos, o exercício está associado a um risco significativamente menor de morte por todas as causas.

pessoa correndoDe acordo com uma nova revisão, há uma associação entre corrida e uma vida útil mais longa, independentemente da frequência e duração da corrida.

Muitos estudos demonstraram que a corrida é uma forma saudável de exercício aeróbico que traz inúmeros benefícios para o corpo e a mente.Por exemplo, os autores de um estudo de 2018 argumentaram que a corrida poderia ajudar a proteger a saúde do cérebro, enquanto pesquisas mais antigas vincularam essa forma de atividade física ao envelhecimento mais lento.Mas que ligação existe, se houver, entre corrida e mortalidade por todas as causas, e como essa atividade afeta o risco de morte devido a doenças cardiovasculares e câncer, em particular?Além disso, se a corrida pode realmente levar a uma vida útil mais longa, isso significa que mais corrida oferece um nível maior de proteção?

Essas são as perguntas que pesquisadores da Universidade de Victoria, em Melbourne, da Universidade de Sydney e de outras instituições acadêmicas da Austrália e de outros países, pretendiam  responder recentemente.

Para esse fim, os pesquisadores revisaram a literatura relevante – incluindo artigos publicados, conferências e teses de doutorado – analisando os possíveis vínculos entre risco de corrida e morte. Suas descobertas aparecem no British Journal of Sports Medicine

Qualquer Quantidade de Corrida é Melhor que Nenhuma

A revisão sistemática incluiu 14 estudos que envolveram um total de 232.149 participantes. Os estudos acompanharam os resultados de saúde dos participantes por períodos que variaram entre 5,5 e 35 anos. Durante os períodos do estudo, 25.951 participantes morreram.

Quando os pesquisadores analisaram os dados dos 14 estudos, eles encontraram uma ligação entre qualquer quantidade de corrida e um risco 27% menor de morte por todas as causas. Esse achado foi aplicado a mulheres e homens.

Além disso, a equipe relacionou a corrida com um risco 30% menor de morte relacionado a doenças cardiovasculares e um risco 23% menor de morte relacionada ao câncer.

A associação significativa entre corrida e menor risco de morte foi aplicada mesmo em pessoas que corriam apenas uma vez por semana ou com menos frequência. Os indivíduos que corriam a velocidades relativamente baixas menores que 9,7 km/h e aqueles que corriam menos de 50 minutos também viam esse risco reduzido.

“As diretrizes da [Organização Mundial da Saúde] e as recomendações nacionais de atividade física em muitos países […] sugerem que os adultos participem de pelo menos 150 [minutos] de intensidade moderada ou 75 [minutos] de atividade física de intensidade vigorosa a semana”, observam os pesquisadores no estudo.

No entanto, as conclusões da revisão atual sugerem que correr por menos tempo ainda pode trazer benefícios à saúde. Ao mesmo tempo, acrescentam os pesquisadores, não houve associação entre correr por mais tempo que a quantidade recomendada e quaisquer benefícios adicionais à saúde ou reduções adicionais no risco de morte.

Os pesquisadores alertam que sua investigação foi observacional e não teve como objetivo estabelecer uma causa. Além disso, eles observam que os estudos que analisaram variaram em sua metodologia e tamanho da coorte, o que pode ter afetado os resultados finais.

No entanto, eles continuam confiantes de que, de um modo geral, correr parece ajudar a saúde, por isso sugerem que as pessoas pensem em adotá-lo. Os autores concluem:

“O aumento das taxas de participação na corrida, independentemente de sua dose, provavelmente levaria a melhorias substanciais na saúde e longevidade da população”.

Fonte: Medical News Today, 05 de novembro de 2019.

Compartilhar: