COVID 19 : Vacina Valneva – O Que Sabemos Sobre Isso?

COVID 19 : Vacina Valneva – O Que Sabemos Sobre Isso?

VLA2001, uma nova vacina COVID-19 desenvolvida pela Valneva, uma empresa francesa de biotecnologia, usando métodos tradicionais, agora recebeu autorização de comercialização condicional no Reino Unido.

Poderia ser mais aceitável para os ainda hesitantes em vacinar , ser mais eficaz contra novas variantes ou melhorar a situação em países de baixa renda? Medical News Today analisa as evidências.

caixa de doses de vacina Valneva COVID-19

Com mais de 6,2 milhões de mortes e cerca de 510 milhões de casos confirmados em todo o mundo pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o COVID-19 causou um alto preço.

Em países de alta renda, como os Estados Unidos e o Reino Unido , embora as taxas de casos permaneçam altas, a vacinação tem sido eficaz na redução de hospitalizações e óbitos.

Em todo o mundo, as vacinas COVID-19 foram e estão sendo autorizadas. Em todos os países europeus, cinco vacinas ganharam autorização de uso: Pfizer, Moderna , Oxford-AstraZeneca , Johnson & Johmson (Jansen ) e Novavax.

Somente as da Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson receberam até agora autorização ou aprovação para uso.

Agora, a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde do Reino Unido (MHRA) concedeu aprovação regulatória para o uso de uma nova vacina COVID-19, desenvolvida pela empresa francesa de biotecnologia Valneva.

A Vacina

Esta vacina, VLA2001, utiliza um método que pode ser considerado mais tradicional – vírus inativado – como usado em vacinas para poliomielite, hepatite A, raiva e gripe.

Valneva, como outras vacinas COVID-19, como Sinopharma, usa partículas de vírus inativados de SARS-CoV-2, bem como substâncias adjuvantes.

Um vírus inativado não pode se replicar e causar doenças, mas a exposição às partículas virais inativadas na vacina permite que o sistema imunológico do corpo aprenda a reconhecer e reagir ao vírus que causa o COVID-19, como acontece com outros tipos de vacinas.

A MHRA concedeu autorização de comercialização condicional para a vacina Valneva em 14 de abril de 2022, para adultos de 18 a 50 anos – o primeiro país europeu a fazê-lo.

O Bahrein deu autorização de uso emergencial em março, e a vacina está passando por revisão regulatória pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

Alguns estudos de fase 1 e 2 e um estudo de fase 3 foram concluídos, mas os resultados ainda precisam ser revisados ​​por pares. A MHRA aprovou a vacina com base em dados de ponte imunológica – dados que medem marcadores imunológicos para inferir a eficácia da vacina – em vez de resultados de ensaios clínicos em voluntários.

O estudo de fase 1/2 cujos dados foram publicados teve apenas 153 participantes, mas os resultados foram animadores. Os participantes experimentaram apenas efeitos colaterais leves – sensibilidade e dor localizada no local da injeção, dor de cabeça ou fadiga em cerca de metade dos receptores – e as respostas imunológicas foram boas.

Valneva relatou respostas imunes comparáveis ​​às vacinas existentes e poucos efeitos colaterais em seu estudo de fase 3, que envolveu 4.012 participantes.

O professor William Schaffner, professor de doenças infecciosas da Faculdade de Medicina da Universidade Vanderbilt em Nashville, TN, disse ao Medical News Today que, no entanto, estava cauteloso com a nova vacina:

“Existem algumas outras vacinas semelhantes a células inteiras baseadas em proteínas que foram feitas da maneira tradicional, como a vacina chinesa [Sinopharm], que, embora sejam eficazes, não foram tão eficazes quanto as vacinas de mRNA . Então vamos ter que ver.”

Benefícios Potenciais

As cinco vacinas já autorizadas foram eficazes na redução do número de COVID-19, então o que essa nova vacina acrescenta?

Algumas pessoas hesitam em relação às vacinas COVID-19 existentes devido ao seu rápido desenvolvimento e especialmente às novas tecnologias de mRNA usadas nas vacinas Pfizer e Moderna.

Como Valneva usa partículas de vírus inteiros inativadas, em comum com muitas vacinas conhecidas, as pessoas estariam mais dispostas a aceitá-lo?

“Pode atrair algumas pessoas hesitantes com a vacina, porque é uma tecnologia muito tradicional, mas não acho que será, como dizemos nos EUA, um divisor de águas”.

– Prof. William Schaffner

Os países de alta renda já têm uma boa cobertura vacinal, então é improvável que faça uma grande diferença lá. No entanto, a vacina Valneva tem uma grande vantagem sobre as vacinas de mRNA.

Ela pode ser transportada facilmente e armazenada em temperaturas normais de geladeira, o que pode ajudar no lançamento mundial de vacinas, como confirmou o Prof. Schaffner.

“Mesmo em países de baixa renda , eles têm cadeias de frio que estão acostumadas a essas temperaturas, o que o tornaria muito mais facilmente transportável em ambientes desafiadores”, ele nos disse.

Mais Eficaz Contra Variantes?

Alguns especialistas sugeriram que uma vacina usando todo o vírus pode ser mais eficaz contra novas variantes, como observa a professora Eleanor Rilev, professora de imunologia e doenças infecciosas da Universidade de Edimburgo :

“Uma vantagem particular da vacina Valneva é que ela é composta por todo o vírus SARS-CoV-2, não apenas pela proteína spike. Isso significa que induzirá anticorpos e células T contra muitos componentes diferentes do vírus, incluindo componentes que são muito menos suscetíveis à variação do que a proteína spike. É possível, portanto, que esta vacina possa fornecer melhor proteção contra novas variantes à medida que surgem.”

” Não É Um Divisor de Águas “

Portanto, a vacina Valneva é uma adição útil ao arsenal de vacinas disponíveis contra a COVID-19 e pode ter um impacto significativo se licenciada para uso em países de baixa renda.

Mas, mesmo que a EMA a aprove, parece improvável que esta vacina seja um divisor de águas nos países que já alcançaram um alto nível de vacinação.

Fonte: Medical News Today – Escrito por Katharine Lang em 28 de abril de 2022 — Fato verificado por Rita Ponce, Ph.D.

” Os artigos aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e respectivas fontes primárias e não representam a opinião da ANAD/FENAD”

Compartilhar: