Descobertos Novos Fatores de Risco para Diabetes Tipo 2

Descobertos Novos Fatores de Risco para Diabetes Tipo 2

Um novo estudo ‘atlas global’ caracteriza a insônia como um novo fator de risco para o desenvolvimento de diabetes tipo 2. No total, os pesquisadores identificaram 19 fatores de risco e rejeitaram 21 fatores de risco sugestivos com base em evidências científicas insuficientes.

Globalmente, cerca de 463 milhões de adultos viviam com diabetes em 2019, de acordo com a Federação Internacional de Diabetes (IDF). Em 2015, aproximadamente 9% de todos os adultos apresentavam a doença.

Diabetes é uma condição em que o açúcar ou a glicose se acumulam na corrente sanguínea em vez de serem absorvidos pelas células. Isso ocorre quando as células perdem sua capacidade de produzir o hormônio insulina ou, no diabetes tipo 2, desenvolvem resistência à insulina e são incapazes de usá-la produtivamente.

Ao longo dos anos, os pesquisadores descobriram que certos fatores aumentam o risco de desenvolver diabetes tipo 2. Esses fatores de risco potenciais incluem consumo de álcool, deixar de tomar o café da manhã, cochilos diurnos, transtornos de ansiedade, sódio urinário, certos aminoácidos e fatores inflamatórios e falta de sono.

Um novo estudo publicado na revista Diabetologia identifica 19 fatores de risco para diabetes tipo 2. Os pesquisadores sediados na Suécia avaliaram ainda 21 fatores de risco que têm evidências escassas e outros 15 que reduzem o risco da doença.

Randomização mendeliana

A equipe usou um método chamado ‘randomização Mendeliana’ (MR) para obter seus resultados. Esta técnica combina informação genética e métodos epidemiológicos convencionais. Também aborda questões relacionadas à causalidade sem vieses que possam comprometer a validade das abordagens epidemiológicas.

A professora associada Susanna Larsson e Shuai Yuan do Karolinska Institutet em Estocolmo, Suécia, usaram dados do consórcio Diabetes Genetics Replication And Meta-analysis. A dupla avaliou 74.124 casos de diabetes tipo 2 e 824.006 participantes controle com ascendência europeia para a população do estudo. A idade média dos participantes foi em torno de 55 anos, sendo 51,8% deles do sexo masculino.

Os pesquisadores então examinaram 238 estudos antes de incluir 40 artigos individuais em sua investigação de RM. Entre os 97 fatores que eles observaram, apenas 19 aumentaram o risco de diabetes.

A insônia foi identificada como um novo fator de risco – as pessoas que vivem com a doença têm 17% mais chances de desenvolver diabetes tipo 2 do que aquelas sem ela.

Em entrevista ao Medical News Today , Larsson diz:

“Cochilar durante o dia também parece ser um fator de risco para diabetes tipo 2. No entanto, por estar fortemente relacionado à insônia, não está claro se o cochilo diurno é um fator de risco independente para diabetes tipo 2. ”

Os outros fatores de risco incluem:

  • depressão
  • fumar
  • pressão alta
  • consumo de cafeína
  • obesidade infantil e adulta
  • porcentagem de gordura corporal
  • massa de gordura interna
  • níveis plasmáticos de sangue de quatro ácidos graxos saturados e poliinsaturados
  • níveis plasmáticos de sangue de três aminoácidos – valina, leucina e isoleucina
  • níveis plasmáticos de alanina aminotransferase, uma enzima que facilita a função hepática

“É importante destacar que a obesidade ainda é o fator de risco predominante para o diabetes tipo 2. A associação observada com a insônia foi parcialmente, mas não totalmente mediada pela obesidade (índice de massa corporal mais alto) ”, acrescenta Larsson. “A associação entre depressão e diabetes tipo 2 pode, em parte, ser mediada pela insônia.”

As exposições associadas a uma diminuição do risco de diabetes tipo 2 incluem:

  • o aminoácido, alanina
  • lipoproteínas de alta densidade ou colesterol bom
  • colesterol total
  • a idade em que as mulheres começam a menstruar
  • níveis de testosterona
  • peso ao nascer
  • altura da idade adulta
  • massa corporal magra para mulheres
  • quatro ácidos graxos do plasma
  • vitamina D
  • nível de educação

Em seu estudo, os autores explicam mais:

“Os resultados devem informar as políticas de saúde pública para a prevenção primária do diabetes tipo 2. As estratégias de prevenção devem ser construídas a partir de múltiplas perspectivas, como redução das taxas e níveis de obesidade e tabagismo e melhoria da saúde mental, qualidade do sono, nível educacional e peso ao nascer ”.

Embora os achados do estudo ofereçam informações importantes que podem ser úteis na elaboração de políticas públicas de saúde, sua principal limitação é a homogeneidade da população estudada.

De acordo com o IDF, 79% dos adultos com diabetes vivem em países de baixa e média renda. Estudos também descobriram que a chance de desenvolver diabetes é significativamente maior para pessoas negras – cerca de 66 casos de diabetes a mais por 1.000 pessoas – em comparação com adultos brancos.

Larsson admite que os principais fatores de risco para diabetes tipo 2 podem diferir parcialmente de acordo com a ancestralidade. “Infelizmente, não fomos capazes de […] realizar análises semelhantes em populações de ancestrais não europeus”, diz ela.

Fonte: Medical News Today – Por: Anuradha Varanasi em 11 de setembro de 2020 – Fato verificado por Alexandra Sanfins, Ph.D.
Compartilhar: