Mais Evidências Apoiam a Anticoagulação Precoce em Covid-19

Mais Evidências Apoiam a Anticoagulação Precoce em Covid-19

O início precoce da anticoagulação profilática em pacientes com COVID-19 recém-internados no hospital parece estar associado a uma mortalidade mais baixa por doença coronavírus, em comparação com nenhum tratamento.

Em um estudo observacional de uma coorte de pacientes atendidos no Department of Veterans Affairs, aqueles que receberam anticoagulação nas primeiras 24 horas após a admissão hospitalar tiveram um risco 27% menor de mortalidade em 30 dias do que os pacientes que não receberam terapia de anticoagulação.

O estudo foi publicado online em 11 de fevereiro no BMJ.

“Acreditamos que nosso trabalho forneça mais evidências de que o início de doses profiláticas de anticoagulação em estágios iniciais de COVID-19 grave oferece maior benefício do que iniciar a anticoagulação profilática ou mesmo em dose completa quando em estado crítico”, autor principal Christopher T. Rentsch, MD, professor assistente de farmacoepidemiologia, Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, Reino Unido, e um investigador do Departamento de Assuntos de Veteranos, West Haven, Connecticut, disseram ao theheart.org | Medscape Cardiology .

O estudo examinou 4.297 pacientes (idade média, 68 anos; 93% homens) que foram admitidos nos hospitais do Departamento de Assuntos de Veteranos de 1 de março a 31 de julho de 2020 com infecção COVID-19 confirmada por laboratório e sem histórico de anticoagulação.

Destes, 3627 (84,4%) receberam anticoagulação profilática nas primeiras 24 horas da admissão. Todos menos 27 pacientes receberam heparina subcutânea ou enoxaparina.

Em 30 dias da admissão hospitalar, ocorreram 622 óbitos (14,5%).

Usando a probabilidade inversa de análises de tratamento, os pesquisadores descobriram que a incidência cumulativa de mortalidade em 30 dias foi de 14,3% (IC de 95%, 13,1% – 15,5%) entre os pacientes que receberam anticoagulação profilática, em comparação com 18,7% (IC de 95%, 15,1 % – 22,9%) entre aqueles que não o fizeram, para uma redução do risco relativo de até 34,0% e uma redução do risco absoluto de 4,4%.

A anticoagulação profilática também foi associada a um risco reduzido de 31% de mortalidade de pacientes internados (HR, 0,69; IC de 95%, 0,61 – 0,77) e um risco reduzido de 19% para o início da anticoagulação terapêutica (HR, 0,81; IC de 95%, 0,73 – 0,90 )

Não houve aumento do risco de sangramento que exigiu transfusão entre os pacientes que receberam anticoagulação profilática (HR, 0,87; IC de 95%, 0,71-1,05).

“Os resultados deste estudo são muito semelhantes aos resultados de nosso estudo observacional”, disse ao theheart.org Valentin Fuster, MD, PhD, diretor do Mount Sinai Heart e médico-chefe do Hospital Mount Sinai, na cidade de Nova York. Medscape Cardiology .

Esse estudo, relatado anteriormente , analisou 4.389 pacientes (idade média, 65 anos; 44% mulheres) hospitalizados com COVID-19 no Sistema de Saúde do Monte Sinai entre 1º de março e 30 de abril de 2020.

Desses pacientes, 1.530 (34,9%) não receberam anticoagulação, 900 (20,5%) receberam anticoagulação terapêutica e 1959 (44,6%) receberam anticoagulação profilática.

Os dados mostraram que os pacientes com anticoagulação terapêutica ou profilática tiveram chance de sobrevivência cerca de 50% maior do que os pacientes sem anticoagulação.

Em janeiro, a Organização Mundial da Saúde recomendou o uso de anticoagulação em baixas doses, embora com base em “evidências de certeza muito baixa”, e afirmou que doses mais altas podem levar a outros problemas.

Em dezembro de 2020, o Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue (NHLBI) divulgou uma declaração de que estava pausando três estudos que investigavam níveis aumentados de anticoagulação em pacientes com COVID-19 gravemente enfermos em terapia intensiva por questões de futilidade e segurança.

Os ensaios envolvidos são os estudos REMAP-CAP, ACTIV-4 e ATTACC .

“Os pacientes nesses estudos estavam muito doentes, e a mensagem é que esses pacientes não deveriam ser tratados com anticoagulação, e eu não discordo disso”, disse Fuster.

“No paciente que está no hospital, mas não na unidade de terapia intensiva, a incidência de hemorragia é relativamente baixa”, acrescentou. “Mostramos isso em nosso estudo publicado. Mas não podemos dizer o mesmo para pacientes gravemente enfermos hospitalizados em terapia intensiva. O sangramento aumenta quando o paciente vai para a UTI, e este é o grupo que nos sentimos menos animados para tratar.”

O estudo foi financiado pelo Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento de Serviços de Saúde para Assuntos de Veteranos e pelo National Institutes of Health. Rentsch e Fuster não relatam relações financeiras relevantes.

BMJ . Publicado online em 11 de fevereiro de 2021. Texto completo

Fonte: Medscape – Por: Fran Lowry, 16 de fevereiro de 2021

” Os Artigos aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e respectivas fontes primárias e não representam a opinião da ANAD / FENAD “

Compartilhar: