Medicamento para Diabetes Tipo 2 Pode Ajudar a Prevenir Abortos Recorrentes

Medicamento para Diabetes Tipo 2 Pode Ajudar a Prevenir Abortos Recorrentes

Um medicamento para diabetes tipo 2  pode ajudar mulheres que sofreram abortos recorrentes a melhorar suas chances de uma gravidez saudável, disseram os pesquisadores.

Uma equipe da Universidade de Warwick disse que a sitagliptina pode ser reaproveitada para ajudar a melhorar o revestimento do útero entre as mulheres que já experimentaram perder seus bebês durante a gravidez.

Em pesquisas anteriores, a equipe da Universidade Warwick identificou que a falta de células-tronco no revestimento do útero poderia estar causando milhares de mulheres a sofrer abortos recorrentes. Suas descobertas mais recentes sugerem que a sitagliptina , um medicamento oral usado para tratar o diabetes tipo 2, é o primeiro do tipo que pode ser usado para aumentar as células-tronco  no revestimento do útero, melhorando potencialmente o ambiente em que um embrião se desenvolve.

A investigação que levou a essas conclusões envolveu 38 mulheres com idades entre 18 e 42 anos que sofreram uma média de cinco abortos. No início e no início do estudo, as biópsias foram retiradas do útero para determinar quantas células-tronco estavam presentes antes e depois do estudo.

Durante ciclos de três períodos, algumas mulheres receberam sitagliptina e outras receberam placebo.

Os pesquisadores disseram que as mulheres que receberam a medicação experimentaram, em média, um aumento de 68% nas células-tronco e também houve uma redução de 50% no número de células “estressadas” presentes no revestimento do útero. O grupo placebo não viu aumento significativo.

O professor Siobhan Quenby, da Warwick Clinical Trials Unit e consultor honorário do University Hospital Coventry e Warwickshire NHS Trust, disse: “Melhoramos o ambiente em que um embrião se desenvolve e, ao fazê-lo, esperamos melhorar as chances de uma gravidez bem-sucedida. Estes são resultados muito precoces e o tratamento agora precisa ser testado em um ensaio clínico em larga escala. ”

Esta pesquisa foi financiada pela Tommy’s,   uma instituição de caridade nacional que trabalha para reduzir as taxas de aborto no Reino Unido, natimortalidade e parto prematuro. É relatado que 1 em cada 4 mulheres no Reino Unido  perderá um bebê durante a gravidez ou o nascimento.

Jane Brewin, diretora executiva da Tommy’s, disse: “Esta pesquisa inovadora da equipe líder mundial em Warwick mostra uma grande promessa de um tratamento eficaz que reduzirá o aborto e possivelmente a perda posterior da gravidez. É necessário um estudo em larga escala para verificar as descobertas e esperamos que isso aconteça rapidamente. ”

O artigo foi publicado em 9 de janeiro de 2020 no EBiomedicine Journal, publicado pela Lancet.

Compartilhar: