Presumimos que Comida Bonita é Mais Saudável?

Presumimos que Comida Bonita é Mais Saudável?

De acordo com um estudo recente, quer se trate de torradas com abacate ou cupcakes, esperamos que alimentos atraentes sejam melhores para nós.

Pesquisas anteriores descobriram que o chamado ” halo de atratividade ” pode levar algumas pessoas a supor que pessoas bonitas são mais inteligentes. Agora, um estudo de Linda Hagen, da University of Southern California em Los Angeles, descobriu que um efeito semelhante ocorre com os alimentos.

O estudo descobriu que as pessoas consideram que alimentos mais bonitos são mais saudáveis.

O estudo de Hagen, “Pretty Healthy Food: How and When Aesthetics Enhance Perceived Healthiness”, foi publicado no Journal of Marketing .

O Que Torna a Comida Bonita

De acordo com o estudo, as pessoas têm exposição a cerca de 4.013 anúncios de alimentos e 2.844 anúncios de restaurantes a cada ano. Esses anúncios apresentam imagens de alimentos de aparência perfeita, cuidadosamente estilizados para a câmera.

Anúncios usam imagens para acionar a parte do cérebro que percebe o sabor, o que ativa o centro de recompensa do nosso cérebro para nos dar um pequeno “sabor” mental de uma experiência agradável de jantar.

Isso também pode funcionar contra o desejo do alimento, de acordo com Hagen. Esses sentimentos podem, inconscientemente, nos levar a pensar que esses alimentos são saborosos demais para serem bons para nós. No entanto, os profissionais de marketing geralmente consideram essa publicidade eficaz.

Se não é a maneira como a comida bonita ativa o centro de recompensa do cérebro, o estudo pergunta: “Será que a pizza atraente e bonita pode realmente parecer mais saudável para você, em virtude de sua estética?”

Pessoas, alimentos e objetos nos parecem classicamente bonitos quando possuem certos atributos, como simetria e padrões semelhantes, que consideramos belos por natureza.

Hagen cita o exemplo dos padrões de “espiral dourada” baseados na série de Fibonacci que aparecem nos arranjos repetidos das folhas das plantas. No caso da comida, o estudo afirma que as pessoas tendem a associar a comida a uma atratividade baseada na natureza como sendo melhor para elas.

Comida bonita = comida mais natural = comida mais saudável, diz o estudo.

Nessa equação, nossa resposta inconsciente à beleza dos alimentos pode anular nosso conhecimento objetivo de que o valor nutricional, ou ter baixo teor de gordura ou calorias, não são traços realmente visíveis.

O Estudo

Hagen investigou sua hipótese em uma série de experimentos.

O primeiro experimento envolveu a tarefa de 803 participantes de encontrar imagens “bonitas” e “feias” de sundaes, hambúrgueres, pizza, sanduíches, lasanhas, omeletes e saladas. Como esperado, os participantes avaliaram as versões bonitas de seus alimentos como sendo mais saudáveis. Eles não viram o sabor, o frescor e o tamanho da porção como fatores de influência.

Em outro experimento, os participantes avaliaram a salubridade da torrada com abacate. Antes de visualizar as imagens do prato, os indivíduos receberam informações sobre os ingredientes e o preço, que foram idênticas para todos os exemplares.

Os participantes que viram imagens de torradas “bonitas” de abacate avaliaram-na como sendo mais natural e também mais saudável.

A beleza não afetou o sabor percebido.

Em outro experimento que testou o efeito do viés de estímulo, Hagen apresentou a 801 pessoas duas imagens idênticas de uma variedade de alimentos que variavam em níveis de saúde. Os alimentos eram manteiga de amêndoa e torrada de banana, espaguete marinara e cupcakes. Os pesquisadores manipularam os participantes para esperar uma imagem bonita ou feia:

“Este estudo é sobre COMIDA BONITA /FEIA. A comida da imagem que mostraremos para vocês será muito bonita ou feia … Os alimentos serão ordenados ou desordenados, parecerão simétricos  ou tortos]e as proporções serão equilibradas ou desequilibradas ”.

Apoiando a noção de que a atratividade segue propriedades naturais, os indivíduos acharam que a comida era mais bonita quando esperavam uma apresentação ordenada, simétrica e equilibrada na imagem que viram. Mais uma vez, os participantes associaram alimentos bonitos a serem mais naturais e mais saudáveis.

Para testar o efeito da atratividade no comportamento de compra, Hagen perguntou a 89 pessoas se estariam dispostas a pagar por um pimentão bonito ou feio. Novamente, os participantes estavam mais inclinados a comprar a pimenta mais bonita depois de julgá-la mais natural e com aparência mais saudável. (Eles também esperavam que tivesse um sabor melhor.)

Hagen também conduziu dois experimentos on-line usando o Mechanical Turk da Amazon, confirmando que apenas as características clássicas de beleza afetavam a percepção da atratividade dos alimentos.

Marketing Verdadeiro e Direcionado

O estudo oferece duas dicas de marketing.

Em primeiro lugar, imagens de alimentos cuidadosamente estilizados em anúncios e menus podem prometer mais do que comida agradável. Com fast-food em mente, Hagen escreve:

“Esta descoberta é desconcertante porque uma grande proporção de alimentos anunciados visualmente não são saudáveis”.

Em segundo lugar, o estudo sugere uma forma de os anunciantes comunicarem a salubridade dos produtos de maneira mais eficaz, apresentando imagens de alimentos com estilo deliberado para exibir características classificadas como classicamente bonitas.

Compartilhar: