Tratamento de Pacientes com Doença de Coronavírus 2019 Grave e Não Grave 2019: Uma Diretriz Baseada em Evidências

Tratamento de Pacientes com Doença de Coronavírus 2019 Grave e Não Grave 2019: Uma Diretriz Baseada em Evidências

Autores: 

Zhikang Ye , Bram Rochwerg , Ying Wang , Neill K. Adhikari , Srinivas Murthy , François Lamontagne , Robert A. Fowler , Haibo Qiu , Li Wei , Ling Sang , Mark Loeb , Ning Shen , Minhua Huang , Zhaonan Jiang , Yaseen M. Arabi , Luis Enrique Colunga-Lozano , Li Jiang , Younsuck Koh , Dong Liu , Fang Liu , Jason Phua ,Aizong Shen , Tianyi Huo , Bin Du , Suodi Zhai e Gordon H. Guyatt
A Organização Mundial de Saúde (OMS), em 11 de março de 2020, declara que a doença de coronavírus 2019  (COVID-19) uma pandemia. A expansão mundial do COVID-19 representa uma profunda ameaça à saúde humana.
Pacientes com COVID-19 apresentam principalmente febre, tosse, e mialgia ou fadiga e, às vezes, inicialmente com sintomas predominantemente gastrointestinais.
Uma minoria de pacientes evolui para pneumonia grave e cerca de 15% desses pacientes a doença é crítica caracterizada por desconforto respiratório agudo, síndrome (SDRA), que está associada a mortalidade de cerca de 50%. ( 1-3)
Devido a enormidade das consequências adversas à saúde do COVID-19, deixou compreensivelmente médicos e pacientes ansiosos por intervenções que possam diminuir a progressão, impedir a mortalidade e acelerar a recuperação. Essa ansiedade talvez tenha contribuído para avaliações excessivamente otimistas de especialistas, autoridades reguladoras e políticos de destaque, em relação aos potencias benefícios dos tratamentos, com subavaliação de possíveis danos. (4-5)
O uso de medicamentos sem eficácia estabelecida pode minar a confiança do público, resultar em danos desnecessários, comprometer pesquisas que possam fornecer respostas definitivas e desviar recursos de intervenções verdadeiramente benéficas.
As diretrizes baseadas em evidências para o tratamento de pacientes com COVID-19 fornecem uma estratégia para evitar o uso excessivo de medicamentos altamente recomendados, porém sem terapias estabelecidas.
Portanto, desenvolvemos uma Diretriz baseada em evidências que se concentra em pacientes com COVID-19 não grave e grave e, para uso de corticosteróides , em pacientes com SDRA.
O nosso processo de orientação seguiu padrões de diretrizes confiáveis (6), incluindo o uso da Classificação de Recomendações amplamente adotada.
Metodologia de avaliação, desenvolvimento e avaliação (GRADE) para classificar a qualidade da evidência e a força da classificação das recomendações. (7)
Dada a escassez prevista de evidências de estudos envolvendo pacientes com COVID-19, as recomendações depende de evidências indiretas , diretas e relevantes.
PONTOS CHAVES
  • A evidência disponível  para o tratamento da doença por coronavirus 2019 (COVID-19) é indireta ( a partir de estudos sobre influenza, síndrome respiratória aguda grave e síndrome respiratória do Oriente Médio) ou de vários estudos observacionais e ensaios clínicos randomizados em pacientes com COVID-19, que são limitados no tamanho e rigor da amostra, permitindo apenas fracas recomendações.
  • Os inevitáveis dados de efeitos adversos das intervenções, o painel de diretrizes ( que incluiu 2 pacientes voluntários), inferiu pacientes mais informados que recusariam o tratamento quando apenas evidências de benefícios de muito baixa qualidade- e, portanto, muito grande incerteza- está disponível.
  • O painel fez apenas 1 recomendação fraca a favor de tratamento: uso de corticosteróides em pacientes com doença aguda, síndrome do desconforto respiratório (SDRA), com base em evidência.
  • O painel fez recomendações fracas contra o uso de corticosteróides em pacientes sem SDRA, contra o uso de plasma convalescente e contra vários medicamentos antivirais que foram sugeridos como possíveis tratamentos para o COVID-19.
  • Rigorosos ensaios clínicos randomizados são urgentemente necessários para estabelecer os benefícios e riscos de intervenções candidatas.
Esta Diretriz será atualizada na : https://app.magicapp.org/app#/guideline/EK6W0n as new evidence becomes available.



 
Compartilhar: